Precipitação

domingo, abril 30, 2017 Jussara Neves Rezende 17 Comments




Eu quero sempre mais que o tempo permite e essa gula me paralisa e só aumenta meu querer tornado impossível. Há contas por fazer, mas na cama os lençóis estão em desalinho e, ansiosas, as panelas esperam no fogão. Aberto, o notebook lembra a necessária revisão de um livro – prazo ajustado com a editora a se esgotar – enquanto outro enredo se esboça no etéreo espaço do pensamento. Amigos agendam festas e reuniões e há problemas a serem resolvidos em Bancos, consultórios médicos, visitas prometidas e desejadas perpetuamente adiadas. Quase nenhum espaço para o sono, para o sonho e para a necessária contemplação de quem nasceu para monja e se vê arrastada, arrasada pelo roldão dos dias. Seriados pedem continuidade e se confundem com solicitações de palestras, com orações sem profundidade, que me frustram, meu espírito sempre a desejar alturas infinitas e inexoravelmente preso a este corpo limitado, comprometido, doente onde o amor é, ainda, ânsia, dor, espera, fé, caminho e descaminho. Eu nunca quero menos que tudo e há montanhas azuis de distância a serem, enfim, palmilhadas e um oceano inteiro e aldeias e veredas a serem conquistados. É muito para uma manhã e lavar os cabelos surge como possibilidade mais próxima. A Lhasa que me ama olha-me com olhos doces e de repente tudo parece menos complicado do que é, como se ainda me fosse permitida a serenidade de quem mergulha num livro e se esquece – por não ser preciso – de voltar. Em incontáveis cadernetas e avulsos papéis sigo a anotar as cores dos dias e minhas lágrimas ficam entre as palavras confusas que, consultadas mais tarde, talvez não signifiquem. Sigo a estrela que, mal chegada a noite, se pronuncia. Há cantos confusos pelos cantos e não sei se outros estão a ouvi-los ou se só ecoam em mim. O luar abre um trilho na noite e as cidades poderiam apagar suas luzes e estariam ainda iluminadas... Há um vago perfume de erva-doce no ar, mas não está na noite nem nesta manhã que com ela se confunde: vem de anos de esquecimento e memória e por um leve momento uno ontem e hoje. Há muito por fazer e o tempo escoa, lembra-me a orquídea que cai. É preciso, afinal, flertar com o dia, frente a frente com ele, enfrentá-lo e... seguir.

Beijo&Carinho,

Jussara


17 comentários:

  1. Lindo ,Jussara! E temos realmente sempre muiiiiiiito a fazer, mas o melhor é encarar e pouco a pouco, dia a dia ,realizar! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Chica! Ou ficaremos paralizados diante da enormidade da tarefa, rs. Abraço!

      Excluir
  2. Oi, Jussara!

    Saudade dos seus escritos! Sempre é um prazer ler suas postagens e, ainda com as correrias expostas, poeticamente talhadas!...

    Beijos =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Nadine! Há que se tirar poesia até das correrias, rs. Pra vida fazer sentido. Abraço!

      Excluir
  3. Olá Jussara
    O jeito é administrar o tempo sem deixar que ele seja nosso pior inimigo.
    Bjs

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É justamente o que preciso fazer, Simone! Abraço!

      Excluir
  4. Olá Jussara,
    A brincadeira do Verdinho está acontecendo desde fevereiro, e se você sentir vontade de hospedá -lo é só se manifestar em um dos blogs por onde ele já passou.
    Quanto ao seu lindo texto, confesso que tem horas que fico paralisada com tantas coisas a fazer, nesses momentos o melhor é planejar o dia e começar a por tudo em ordem.
    Tenha uma ótima semana.
    Grande beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Jack. Sem o planejamento é bem isso que acontece: a paralisia... justamente o contrário do que seria desejável, rs
      Vou pensar sobre o Verdinho... Abraço!

      Excluir
  5. Amei esta crônica! Me identifiquei totalmente com o que você descreveu de forma tão concisa e ao mesmo tempo poética.
    Também sinto que nasci para monja e vivo neste turbilhão de afazeres...
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado, Cris! Alegra-me saber que não sou a única monja a viver em meio ao turbilhão... rs
      Abraço!

      Excluir
  6. Amei seu texto! O tempo na contemporaneidade está uma loucura, sempre estamos cheios de obrigações e missões!

    ResponderExcluir
  7. Olhar através de arcos resulta em enxergar aquilo que realmente precisamos ver. É necessário olhar pra frente, cercar-se de presente, valorizar cada segundo e seguir adiante, a vida é um sopro! Bj

    ResponderExcluir
  8. Oi Jussara, que belo, como te entendo e me encontro nas entrelinhas da sua Crônica. Por que, nos dias de hoje o tempo parece correr mais? Não há muitas possibilidades de concentração.Tudo é um atropelo sem fim, estamos ligando e desligando a vida,e nos sentimos perdidos. Eu amei tudo que você descreveu. Um abraço.

    ResponderExcluir
  9. Como me revejo nas suas palavras, há alturas em que me sinto completamente paralisada com a quantidade de coisas que estão sempre à minha espera, prazos, compromissos, nem uma pausa para respirar. E os livros que gostaria de ler por prazer permanecem ali empilhados, à espera que a vida me dê uma folga.
    Abraço, poetisa. Melhores dias virão
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
  10. Oi Jussara,
    A crônica é maravilhosa e a primeira frase resume o meu momento de vida""Eu quero sempre mais que o tempo permite e essa gula me paralisa". Estou sem tempo para o muito que eu quero.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi Jussara.
    Aproveitando um raro tempo disponível para viajar pelos blogs amigos, começo por este e encontro esta obra de arte literária.
    Como disse você, inspiradamente: "Há que se tirar poesia até das correrias".
    Um rápido (e sincero) abraço.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!