Naufrágio – miniconto

quinta-feira, novembro 03, 2016 Jussara Neves Rezende 26 Comments



Seu maior sonho era possuir uma ilha deserta. Sonhava diariamente com seus coqueiros, sua praia de areia fina e clara, sua água transparente e, sobretudo, seu grande silêncio.
Odiava os ruídos da cidade: o grito de um vendedor ou de uma criança na rua, as buzinas, os barulhos provocados pelo arrancar de um ônibus ou pelo escapamento de um automóvel, as sirenes das fábricas. Economizava cada centavo para comprar sua ilha.
Um dia caiu no chão e se quebrou o porco rosado no qual guardava moedas. Recolhidas, eram, ainda, insuficientes para comprar ilha qualquer. Comprou, então, um revolver e começou a matar, uma a uma, as pessoas de sua cidade.
Quando tudo ficou silencioso, voltou para casa e começou a regar suas mudinhas de coqueiro.

"Naufrágio" - Miniconto de Jussara Neves Rezende
Crédito da Imagem: aqui

Beijo&Carinho,
Jussara

26 comentários:

  1. Oi Jussara um conto que bem reflete o nível de stress a que estamos sujeitos nas grandes cidades e de como estamos expostos às reações mais perigosas.
    Gostei da construção/inspiração.
    Carinhoso abraço de paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é mesmo? É função da arte expressar esta loucura... o triste é vê-la se propagar na realidade por aí afora, não é mesmo?
      Obrigada, Toninho!

      Excluir
  2. Muito lindo teu conto,Jussara!Adorei ler! bjs, chica, lindo dia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Chica! Bastante doido, mas tem, sim, sua beleza, rs
      Abraço!

      Excluir
  3. Olá querida Jussara, eu gosto muito de contos curtos, que na medida do entendimento se percebe que nas entrelinhas nos é dito muitas coisas. O desejo de paz e isolamento, ainda que abstrato, nos dias de hoje é impraticável. Assim como teu personagem, estamos todos desesperados tentando nos encontrar e ter paz, que parece cada vez mais uma ilusão...mas o que guardamos como a grande solução, talvez não tenha a mágica solução e entramos do surreal ou inconsciente, vamos fazer com nossas próprias mãos, nossa ilha. Um dia de fúria ? Não, para mim é uma forma abstrata de poder ficar só e em paz. Gostei demais senhora escritora.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, Jussara!

    Amei o seu conto. Curtinho e impactante! Ainda bem que está no imaginário! rsrsrs

    Abração,

    Drica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já pensou que loucura nesta realidade barulhenta em que vivemos? rs
      Abraço!

      Excluir
  5. Interessante conto. Nos dias atuais quem não quer sossego? Mas, não seria capaz de ter uma atitude tão radical, kkk
    Grande beijo e desde já um ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neste mundo doido não é difícil que alguém tentasse, rs
      Obrigada, Jack, muito bom tê-la aqui!

      Excluir
  6. Excelente, Jussara! Discretamente, estou de volta. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, João Antônio, é muito bom tê-lo de volta!
      Abraço!

      Excluir
  7. Entendo o raciocínio...
    Simples, cru e sincero.
    Pura inspiração e piração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Sylvio, você bem o percebeu... uma piração com um sopro: ins... rs

      Excluir
  8. Nossa Jussara, que terrível desfecho...
    Um caso extremo de disturbio de personalidade anti-social e psicopatia!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Cris, uma total ausência de compaixão pela situação/sentimento do outro: só a própria necessidade é posta em causa: loucura. A literatura às vezes enlouquece... rs
      Abraço!

      Excluir
  9. Senti a tua falta! Bom ver-te de volta!
    A solução para a ilha deserta é no mínimo perturbadora! Não queria um vizinho assim!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vizinhos assim têm que ser trancafiados no hospício, Nina, rs. Abraço!

      Excluir
  10. Quanto "umbiguismo"! O personagem, que poderia ser qualquer um de nós, realiza sua utopia de viver em paz, pagando o preço da própria falta de resiliência. Quem não gostaria? Paz sim, mas a qualquer custo, não! Dias atuais. . . Parabéns! Amei o texto! A arte é nossa arma para fugir da realidade, né? Beijos, com carinho Jussara!
    Rhosa Ferreira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Graças a Deus pela arte! Por causa dela nossas ilhas podem ser habitadas e felizes!
      :)

      Excluir
  11. Mini contos como o seu nos transmitem muito mais do que algumas escritas longas.
    Obrigada!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Adelaide! Ultimamente tenho buscado um texto mais enxuto justamente por isso... tem me parecido que menos palavras atraem pensamentos maiores...
      Abraço!

      Excluir
  12. Oi Jussara,
    Que trágico! mas não sei bem o porquê, me lembrou um pouco o filme "Um Dia de Fúria".
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Jussara, seu miniconto expressa bem o que estamos vivendo, sonhamos e quando não conseguimos realizar nossos sonhos, matamos o que achamos que nos impede de ser feliz...
    Não se busca mais a essência de nossas buscas, vivemos apenas o imediatismo, sem nenhuma esperança...
    Triste!
    Feliz domingo, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que a palavra "essência" resume bem o que você disse. Se o foco fosse o essencial, precisaríamos de muito menos para ser feliz!
      Abraço!

      Excluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!