Clarice ganha estátua no Rio

Clarice ganha estátua no Rio

O bairro do Leme, na zona sul carioca, no qual a escritora Clarice Lispector viveu por 12 anos, inaugurou no último dia 15 uma estátua da escritora e de seu cão, Ulisses.

A ideia de homenagear Clarice partiu de Teresa Monteiro, professora de Literatura e biógrafa da escritora. Junto de Beth Goulart, que representou Clarice no teatro e apoiou o projeto, Teresa criou um abaixo-assinado para que a estátua fosse erguida.

“Foi um conjunto de forças”, portanto, segundo a própria idealizadora do projeto, o que levou à concretização da obra. O escultor Edgar Duvivier, inclusive, produziu 40 miniaturas de Clarice com o cachorro que, vendidas para admiradores da escritora, serviram para financiar a obra final, no Leme.

Fernando Frazão – Agência do Brasil

8

A escritora é uma das mais citadas como autora de frases que circulam na internet, muito embora grande parte dessas citações nunca tenha sido sequer pensada por Clarice, tão superficiais e clichês que são.

O mergulho nas profundezas do ser foi a grande fascinação da escritura clariceana que, nesse sentido, se constrói em torno da tentativa de ultrapassar a evidência concreta da realidade dos seres a fim de atingir o âmago onde se ocultaria a verdade das coisas, de cada um, da própria vida.

De personalidade introvertida, Clarice preferia viver longe do convívio social, razão para que muitos a considerassem excêntrica. A fama que lhe veio de forma avassaladora, em virtude da novidade de sua escrita introspectiva na literatura nacional, levou-a a isolar-se voluntariamente em um apartamento no Leme, onde viveu até sua morte, em 1977, em companhia de uma governanta, uma auxiliar doméstica e de seu cão, Ulisses.

Nascida na Ucrânia em 1920 (embora em seus registros biográficos conste, erroneamente, o ano de 1925), Clarice estava com 2 meses de idade quando seus pais emigraram para o Brasil; passou sua infância no Recife-PE e aos 12 anos se mudou com a família para o Rio de Janeiro, pano de fundo de suas obras.

8

Fernando Frazão – Agência do Brasil

 

No Rio, em dezembro de 2015, fiz questão de visitar o Jardim Botânico, tão citado – e frequentado – por Clarice. Há ali uma pequena aleia, que recebeu o nome da escritora, e os bancos que ali se encontram têm gravados trechos de sua lavra. Neste em que apareço, na imagem, a frase é a seguinte: “Sentada ali num banco, a gente não faz nada: fica apenas sentada deixando o mundo ser”:

Foto: Flávia Espinelli
8
8
Para a próxima viagem o Leme será parada obrigatória.
8
8
Beijo&Carinho,
8

8

8



30 thoughts on “Clarice ganha estátua no Rio”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *