CLARICE GANHA ESTÁTUA NO RIO

segunda-feira, maio 23, 2016 Jussara Neves Rezende 28 Comments



O bairro do Leme, na zona sul carioca, no qual a escritora Clarice Lispector viveu por 12 anos, inaugurou no último dia 15 uma estátua da escritora e de seu cão, Ulisses.
A ideia de homenagear Clarice partiu de Teresa Monteiro, professora de Literatura e biógrafa da escritora. Junto de Beth Goulart, que representou Clarice no teatro e apoiou o projeto, Teresa criou um abaixo-assinado para que a estátua fosse erguida.
“Foi um conjunto de forças”, portanto, segundo a própria idealizadora do projeto, o que levou à concretização da obra. O escultor Edgar Duvivier, inclusive, produziu 40 miniaturas de Clarice com o cachorro que, vendidas para admiradores da escritora, serviram para financiar a obra final, no Leme.


A escritora é uma das mais citadas como autora de frases que circulam na internet, muito embora grande parte dessas citações nunca tenha sido sequer pensada por Clarice, tão superficiais e clichês que são.
O mergulho nas profundezas do ser foi a grande fascinação da escritura clariceana que, nesse sentido, se constrói em torno da tentativa de ultrapassar a evidência concreta da realidade dos seres a fim de atingir o âmago onde se ocultaria a verdade das coisas, de cada um, da própria vida.


De personalidade introvertida, Clarice preferia viver longe do convívio social, razão para que muitos a considerassem excêntrica. A fama que lhe veio de forma avassaladora, em virtude da novidade de sua escrita introspectiva na literatura nacional, levou-a a isolar-se voluntariamente em um apartamento no Leme, onde viveu até sua morte, em 1977, em companhia de uma governanta, uma auxiliar doméstica e de seu cão Ulisses.
Nascida na Ucrânia em 1920 (embora em seus registros biográficos conste, erroneamente, o ano de 1925), Clarice estava com 2 meses de idade quando seus pais emigraram para o Brasil; passou sua infância no Recife-PE e aos 12 anos se mudou com a família para o Rio de Janeiro, pano de fundo de suas obras.

Foto: Flávia Espinelli

No Rio, em dezembro de 2015, fiz questão de visitar o Jardim Botânico, tão citado – e frequentado – por Clarice. Há ali uma pequena aleia, que recebeu o nome da escritora, e os bancos que ali se encontram têm gravados trechos de sua lavra. Neste em que apareço, na imagem, a frase é a seguinte: Sentada ali num banco, a gente não faz nada: fica apenas sentada deixando o mundo ser. 
Para a próxima viagem o Leme será parada obrigatória.

Beijo&Carinho, 

Jussara


P.S.: Estou devendo resposta aos comentários... Amanhã pretendo colocar tudo em dia...

28 comentários:

  1. Que linda e bem merecida homenagem à Clarice! Gostei de saber! Tá linda! beijos, lindo dia e semana,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adorei a novidade, Chica. Obrigada, querida! :)

      Excluir
  2. Boa noite, querida Jussarra!
    Vou visitar assim que puder... gosto demais dos seus escritos...
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  3. Uma homenagem bonita e merecida. Também colocarei o Leme no meu próximo roteiro de Rio.
    Um abraço!
    Egléa

    ResponderExcluir
  4. Sou um profundo apreciador da obra de Clarice, e adorei saber desta justa homenagem, assim como Caio Fernando Abreu, seus textos inundam a internet, o que eu acho ótimo, não fossem os textos falsos, enfim...amei a homenagem, amei teu post e a foto no banco...
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gostei muito da homenagem, Jair. Feliz demais que tenha apreciado o post!

      Excluir
  5. Oi Jussara, é a Vi, muito legal a população se movimentar para homenagear pessoas que fizeram coisas positivas pela nação.
    Nem imaginava que ela não havia nascido no Brasil.
    Sua foto no banco ficou show.
    Muitos beijos,vi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vi! Muito bacana essa mobilização, né? Gostei muito também. Obrigada! Estou 8kg mais magra agora! Firme na dieta, rs

      Excluir
  6. Olá Jussara!
    Seu blog ficou lindo com esse novo visual!
    Adorei o post, sou fã incondicional da Clarice, merecida homenagem. Ela faz parte da minha Santíssima Trindade: Clarice, Adelia e Guimarães Rosa.
    Sonho em conhecer o Jardim botânico do Rio...
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Cris!
      Adorei essa santíssima trindade, rs. Tens bom gosto!
      Abração!

      Excluir
  7. Oi Jussara, muito linda sua apresentação da homenagem com uma verdadeira aula de Clarice que tanto amamos e nos inspira.Tinha lido sobre esta decisão e ficou num lugar bom e creia que será respeitada pelos vândalos. Concordo na parada obrigatória na próxima ida ao Rio.
    Grato pela partilha.
    Meu abraço e boa semana para voce neste frio que baixou em Minas.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô, Toninho, e como baixou frio por aqui, viu!?
      Obrigada, meu amigo!
      Também achei que o lugar escolhido foi muito bom e estou na torcida para queos vândalos sejam tragados da face da terra!
      Abraço!

      Excluir
  8. Homenagem mais que justa, né?

    Beijos
    Tata Sá
    2Apês

    ResponderExcluir
  9. Maravilhosa e merecida homenagem!!! Gostei também da sua" verdadeira aula sobre Clarice" Como disse o Toninho.
    Adorei também sua foto. Obrigada pela visita lá no blog.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Lourdinha, a professora sai da sala de aula mas a sala de aula não sai da professora... rs
      Obrigada!
      :)

      Excluir
  10. Sentar-se num banco de jardim e deixar o mundo ser, acontecer, é lindo até à comoção. Essa Clarice merecia mais do que uma estátua.
    Lindas as fotos, raramente a vemos por aqui.
    Beijinho
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
  11. Olá, Jussara.
    Bonita homenagem, cria uma proximidade com a população em geral, talvez despertando interesses, na juventude que aflora, pela literatura, no travar de perto com uma dama da Literatura de Língua Portuguesa, não é? Pelo menos, fica a esperança ;)
    O Horto Florestal a que se refere é o novo nome do Jardim Botânico? Porque conheço a paixão que Clarice tinha pelo Jardim Botânico...
    Passava tardes, desde menina, ali, naquele espaço. Era no Jardim e na Quinta da Boavista - talvez por isso tenha tanta necessidade do verde, ainda que passados tantos anos ;)
    *Em relação à sua dúvida: a música "Smile" é cantada por Michael Jackson - é incrível como as músicas mudam de tom, dependendo da voz que as canta ;)

    bj amg e bom fds

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Carmem... se você não chama minha atenção ficaria errado lá no post. É o Jardim Botânico, sim! Que mania a minha de chama-lo de Horto :/
      Obrigada por me informar o cantor.
      Abraço!

      Excluir
  12. Bela Homenagem!
    Jussara, Deixa eu te contar... Minha sobrinha recebeu a revisão do livro dela que tá quase pronto. Pra que? Quando ela viu os desenhos que ela fez a 2 anos atrás, pirou... "papai vou refazer esses desenhos ridículos, agora, ou então vc tira meu nome desse livro". kkkkkkkkkk ela agora aprendeu a desenhar tipo mangás. Meu irmão tá frito. Kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk. Pior é que é assim mesmo. Com o que a gente escreve também. Passado um tempo achamos que é tudo bobagem. O escrito deixa de ser a nossa pele.
      Abração!

      Excluir
  13. Bom lugar para ler um livro dela e trocar umas ideias com a autora. Se ela não quiser muita conversa, vale pela sensação de imersão literária. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sensação de imersão já será uma maravilha, Sylvio!
      :)

      Excluir
  14. Respostas
    1. Muito! Este país está a me desgostar de tal forma, que só mesmo uma coisa assim para me fazer acreditar que ainda pode valer a pena viver aqui...
      Abraço!

      Excluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!