Grandes esperanças - resenha e fragmento

quinta-feira, novembro 26, 2015 Jussara Neves Rezende 14 Comments


 São Paulo: Landmark, 2013, 528p.
 
Que o número de páginas não assuste os leitores que gostam de leituras mais ligeiras. Trata-se de uma edição bilíngue, o que significa que o texto em português ocupa apenas a metade dessas páginas belamente encadernadas.  
 
 
O último romance de Charles Dickens (1812-1870), Grandes esperanças, deixa transparecer o lado reflexivo do autor que produz uma história de desilusão e redenção moral. Elogiada por grandes escritores por sua perfeição narrativa, Grandes esperanças conta a história de Pip, um órfão criado num lar humilde e que, após herdar inesperada fortuna, envergonha-se da própria origem.
Divida em três partes, a obra discute a bondade, a culpa e o desejo,  apresentando um narrador que não procura esconder suas falhas de caráter, mas que, quando arrependido, busca a redenção. 
 
O autor, Charles Dickens
 
 Uma das frases que grifei:

 
 
Abraço,
 
Jussara
 

14 comentários:

  1. Olá Jussara, tá lindo teu blog...nunca li uma obra inteira de Charles,mas muitos contos...grande verdade nunca admitida por nós, nunca admitida por mim, pois nós temos o maior poder de persuação conosco, somos nossos próprios vilões.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jair, obrigada!
      Sempre muito bom contar com sua leitura atenta :)
      Abraço!

      Excluir
  2. Ju,
    amei o seu novo layout. Ficou lindo o seu blog. Adorei a frase que você destacou. Nunca li Charles Dickens. Comprei um dele lindo e enorme, o David Copperfield. Esse eu não conhecia. Mas a história deve ser mesmo maravilhosa, bem o conflito do ser humano nessas situações.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dri! Este foi meu primeiro Charles Dickens, com exceção, é claro, daquele famoso conto de Natal. Também comprei o David Copperfield, mas está na pilha de leituras futuras. Será que antes de morrer consigo ler tudo que comprei? rs

      Excluir
  3. Oi, Ju,

    Eu sempre desejei ler este livro mas, por alguma razão, este desejo ainda não se concretizou, rsrs. Além de gostar de Charles Dickens, eu vi o filme (de 1998) e gostei muito.

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Olá Jussara bem legal e interessante. Acho engraçado este negocio de dizer que livro grande não desperta interesse. Este bilíngue é um belo trabalho.
    Que bom que esteja por aqui e com repaginação muito boa.
    Parabéns e abraços da Minas.
    Um bom lindo fim de semana com paz e luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tive muitos alunos, Toninho, que desistiam da leitura se o livro fosse grosso. Para mim isso não faz a menor diferença. Se a história for boa eu não quero mesmo que acabe nunca!
      Obrigada! Abraço :)

      Excluir
  5. Olá, Jussara, já estava com saudades! Conheço pouquíssimo do Dickens, só Conto de Natal, se não me falha a memória. Esse romance, pela sua descrição, parece ótimo. Mas bom mesmo é a sua volta. Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Jussara, já garanti o meu Breve Lua. Aguardo ansioso. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coisa boa, João Antônio! Ando tão atrapalhada que respondo aos comentários com atraso, emails, então, nem se fala! Respondi ontem a uma amiga que me escreveu em maio! Assim, publiquei sem ler vários comentários aqui, entre eles os seus. De certa forma foi bom, pois garanti a surpresa que tive ao chegar ao seu blog.
      Ainda sob a emoção decorrente de sua recepção ao "Breve Lua"! :D

      Excluir
  7. A minha recepção ao Breve Lua nem podia ser outra: adoro a sua poesia desde o Minas de Mim! Talvez mesmo pelas inquietações que ela revela, humana inquietação. Por falar nisso, a Yasmin leu o seu Inquietação e gostou. Ela está entrando nessa fase das inquietações. E quer o seu livro, vou encomendar um pra ela. Quanto aos seus desenhos, são intuitivos sim, mas por isso mesmo é que são bons! O depoimento da Yasmin é definitivo: criança fala o que sente. Vou ao sul passar o reveillon com aquele que não é mas é meu irmão, ele andou meio adoentado. Se não nos falarmos até lá, desejo-lhe um feliz Natal, boas festas e sucesso ao seu livro e ao empreendimento do seu filho. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por tudo, João Antônio. Você vai ao sul e eu irei ao Rio passar Natal e Reveillon com minha família carioca - formada por alguns primos muito queridos.
      Desejo-lhe também boas festas e um Natal muito abençoado. E que seu irmão, que não é, mas é irmão, esteja bem recuperado e vocês passem juntos momentos muito felizes.
      Diga, por favor, à Yasmin, que faço questão de presentea-la com um Breve lua. :D
      Assim que voltar de viagem e organizar aqui enviarei para ela.
      Abraço!

      Excluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!