O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares – Frase

O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares – Frase

Aprendi com minha mãe – há muitos anos – a anotar em um caderninho as referências bibliográficas de cada livro que leio. Com o tempo comecei a acrescentar também as frases que mais me chamaram a atenção.
Na impossibilidade de resenhar todos os livros que leio (pois uma boa resenha dá um trabalhão) num momento em que tenho um pai acamado que ajudo a olhar, um filho de mudança para o exterior e o enxoval da filha para preparar, opto por trazer para cá as frases que, nos livros, grifo com lápis de quatro cores.
Assim sendo, coloco aqui uma frase de Jacobs, personagem de

RIGGS, Ransom. O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares.
Trad. Edmundo Barreiro e Marcia Blasques. São Paulo: Leya, 2012, p. 331:

 
 

Primeiro romance de Ransom Riggs, O Orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares começa com uma horrível tragédia familiar que leva Jacob, um garoto de 16 anos, a uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre um orfanato em ruínas e uma coleção de estranhas fotografias. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são mais do que simplesmente peculiares: podem ter sido perigosas e confinadas na ilha por um bom motivo… E, de algum modo, por mais impossível que pareça, ainda podem estar vivas. Escrito para jovens adultos, a partir de fotografias antigas emprestadas de colecionadores, O Orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares é uma fantasia arrepiante que pode deliciar a qualquer um que goste de uma aventura sombria.
                                 (Texto da orelha do livro, adaptado por mim)
Uma das fotografias utilizadas na obra e na capa da edição norte-americana
 
 
  
Fotografia utilizada na obra
 
 
Trecho da obra:

Achei que estivesse sonhando. Queria responder, mas eu estava tão completamente congelado que parecia preso. (…) Então uma lanterna surgiu viva lá em cima, e estiquei o pescoço para ver meia dúzia de garotos ajoelhados em volta das mandíbulas recortadas no chão quebrado, olhando para baixo.
De algum modo, eu os reconheci, mas não sabia de onde eles eram, como se fossem rostos de um sonho de que não nos lembramos direito. Onde será que eu os vira antes? E como eles sabiam o nome do meu avô?
Então eu entendi. As roupas deles eram estranhas mesmo para o País de Gales. Tinham rostos sérios e pálidos. Os retratos espalhados no chão ao meu redor olhavam para mim do mesmo modo que os garotos lá em cima. De repente eu compreendi. Eu os vira nas fotografias.

                                                                    (p. 112/3)

 
Ransom Riggs é um escritor norte-americano, formado em Cinema e TV pela Universidade do Sul da Califórnia. Realizou alguns curtas-metragens premiados e nas horas vagas é blogueiro e repórter especializado em viagens.
 
Comente, comente, comente… vou amar!
Abraço,
Jussara Neves Rezende

 


36 thoughts on “O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares – Frase”

  • Olá, Jussara! Arrepiei no trecho misterioso…Fiquei curiosa, pois adoro histórias assim!
    Desejando melhoras para o seu pai, sucesso para o filho e bons momentos com a filha!
    Beijinhos, boa semana!
    Ana

  • Sou louca para ler esse livro, pelo menos já li que é muito bom mesmo. E a capa é de um mistério… Adoro mistérios!!! E linda a frase que vc colocou aqui para a gente. É mesmo, a vida as vezes a gente pensa que é normal e é tão maravilhosamente extraordinária!
    Beijos e melhoras para o seu pai.
    Adriana

  • Oi, Jussara!

    Saudades de você! Tudo bem? Muito trabalho e preocupações. A vida, nem sempre nos presenteia.

    A vida, por vezes, é assaz complexa, ou somos nós que não sabemos aceitar as peculiaridades dela. Você, tem várias coisas, entre mãos, mas a doença de seu pai, é decerto, o que mais a aflige.

    Eu fazia como você: tirava de um livro, as frases mais emblemáticas, para depois, as adaptar aos meus escritos. Amo ler e escrever.

    Nunca li a obra, a que faz referencia, mas pelas imagens, e não só, pelo pequeno resumo, que dela faz, deve ser bem interessante e arrepiante, para quem for sensível. Crianças, ainda vivas? Conheço, de nome, apenas, o escritor americano, formado em cinema e TV, de quem você falou.

    Espero que tenha gostado do meu comentário, que será mais um a juntar, a esse espaço, que já é, bem cultural e erudito.

    Agradeço sua visita e gentis palavras, lá no blogue. Depois, você me ensina, como se consegue, ser sucinta, tá?

    Beijos e dias muito felizes.

  • Ai Jussara eu amei a frase! Leitura interessante, lembrou-me um filme que assisti tempos atrás, onde o cenário era muito semelhante. Mas que momento esse seu, quanta mudança, quanta emoção envolvida! Tirando o fato de seu pai estar acamado, o resto é coisa boa! Filho viajando para exterior é uma experiência maravilhosa, e que deveria ser obrigatória na vida de todos. E a filha casando, começando sua própria família… Enfim,desejo que seu querido pai se recupere, seu filho aproveite ao máximo tudo de bom que está por vir, e sua filha seja muito feliz!
    Beijo querida e uma linda semana,
    Denise – dojeitode.blogspot.com

  • Oi, Ju,

    São muitas as responsabilidades da gente, né? E é difícil conciliar todas elas, rsrs. Eu também estou nessa
    de só entrar na Internet quando é possível. Quanto ao livro, não faz o meu gênero, pois, depois de ter tido – durante
    anos – uma relação de fascínio e medo com este tipo de obra, desenvolvi uma tremenda ojeriza com relação aos
    autores e produtores delas. Eu sempre fui muito sugestionável, e agora estou tentando superar isso de uma vez por
    todas. Só as fotos que ilustram este livro são horripilantes, que dirá a narrativa, rsrs.
    De qualquer forma,a estória me lembrou a de outras obras, como a do filme Asylum, que teve mais de uma versão.

    Um beijo e boa semana

  • Oi Jussara, o filme é de 2007. Você encontra em DVD e para baixar na internet.
    Neste ano, estou fazendo uma seleção de filmes que trazem insights para o desenvolvimento da feminilidade consciente, para a jornada de auto-conhecimento de cada uma. Espero que goste!
    Bjs

  • Jussara , muito interessante tudo que nos conta . Aprendi com um professor do curso clássico a grifar o que mais gostava nos livros que ele nos indicava . Desde então , todos meus livros sejam técnicos ou literários são marcados . Passei aos meus filhos tal prática e com eles também funciona Desejo melhoras para seu pai . Sei bem o que a doença nos faz sofrer . Acompanhei o meu por quatro anos nas suas seções de hemodiálise . E cresci bastante observando a reverência que ele tinha pela vida . Infelizmente , ele se foi há um ano e meio e por isto meu conselho é que aproveite cada segundo junto do seu . Agora , filho indo morar fora e filha casando são dádivas .Aproveito para lhe agradecer as generosas visitas ao meu espaço . Beijos.

  • Oi Jussara,
    tua apresentação aguçou minha curiosidade.O livro parece ser daqueles bem instigantes.Eu gosto:)
    Dica anotada, viu?
    Te desejo boas energias e muita disposição para atender todas as chamadas que te requisitam.
    Um abraço,
    Calu

    Obs: obrigada pelo carinho deixado lá nos coments.

  • Olá Jussara,

    Esse é dos meus. Adoro leituras e filmes de suspense ao nível do assunto abordado nesse romance.
    A frase do personagem Jacobs leva a uma boa reflexão. Tipo: "eu era feliz e não sabia".
    Que barra você está passando, hein? Doença em família nos tira do prumo. Filho partindo para o exterior, apesar de ser uma experiência importante, deixa qualquer mãe com o coração apertadinho. E preparar enxoval, apesar de ser uma tarefa agradável, ocupa um tempo importante. Então, casamento à vista-rsrs.
    Que tudo dê certo e que você consiga estar conosco de vez em quando para nos trazer as suas pérolas.

    Beijão.

  • Jussara, essa obra tem os ingredientes que me atraem. Gosto de "aventuras sombrias", pois fogem aos padrões que nos levam a concluir, com facilidade, os caminhos percorridos pelo autor. Já anotei aqui, para adquirir.
    Você está com muitos chamados. Cuidar de um pai acamado exige dedicação e ajudar filha com enxoval requer tempo. Que ele se restabeleça e que tenha tranquilidade para lidar com tudo. Grande beijo!

  • Olá, como estas?
    Adorei a dica que passou de mãe para filha, muitas vezes compro o mesmo livro, outro dia pensava em fazer uma lista doas obras lidas.
    Achei super interessante esse livro e me despertou a curiosidade. Obrigada por nos apresentar obrar preciosas.
    Bjos, tenha uma ótima semana.

  • Uma obra da qual nunca tinha ouvido falar, e que me parece muito interessante na conjugação que tenta fazer entre crianças e a possibilidade de estas terem sido afastadas da sociedade por motivos de perigosidade; maldade. Tudo envolto em tons de mistério.
    Um tema caracteristicamente britânico pela tradição de internamento de crianças. As fotos são realmente "duras".

    As melhoras para o teu pai, e tudo de bom para o teu filho e tua filha.
    xx

  • A vida é um eterno recomeço,
    uma viagem que se inicia,
    e não devemos perder a esperança
    temos que continuar,
    mostrando a todos a nossa fé,
    e a nossa capacidade de refazer o que se desfez,
    e reconstruir o que se perdeu.
    Muita paz para sua vida.
    Beijos e meu eterno carinho.
    Evanir.

  • Oi Jussara, é a Vi, a vida esta uma correria, enxoval, viagem do filho, são novidades boas, mas que causam um desgaste emocional, além dos cuidados com seu pai, nas minhas orações sempre incluo você, tenho muito carinho por ti.
    Havia um tempo que ia com frequência no cemitério e ficava vendo aquelas fotos que colocam sobre os túmulos, depois tinha pesadelos horríveis, essas fotos do livro, lembram aquelas fotos.
    Aventuras sombrias? é de assombração?
    Muitos beijos,Vi

  • Olá!
    Todas as mudanças nos afetam, faz parte! O livro parece de terror ou é de suspense…_ Vou lhe contar uma coisa, quando pequena minha mãe ia no cemitério com minhas tias, limpar a campa da vó e do vô, por eu não ter com quem ficar, me levava, eu andava por entre as campas e ficava olhando os retratos, e na maioria eram fotos de pessoas dos anos 20…eu tomei um horror de tudo que diz respeito a essa época…não me pergunta como…sei lá…ficou uma impressão estranha, acho esquisito. Cabeça de criança!

  • Adoro ler resenhas ou mesmo opiniao sobre livro, frases, o que for. Nesse post voce caprichou em arrepiar, hehehehe. Ja estou morrendo de medo. Já sei que vai virar filme e quando virar filme nao vou assistir. Crianças fantasmas é muito triste. Deve ser um bom livro. Bjos e obrigada pela dica.
    Cam/ Pauline

  • Oi amiga, adorei todas as novidades do teu blog, seu blog continua lindo, trouxe uma poesia para você, já estou te seguindo, eu quero muito ler este livro deve ser muito bom,beijokas
    Deus te dá a lã e a agulha

    E te diz: Crocheta o melhor que puder, um ponto de cada vez.

    Cada ponto é um dia na agulha do tempo.

    Depois de 12 carreiras de 30 ou 31 pontos,

    Terás 365 pontos,

    Em dez anos, cerca de 3650 pontos…

    Alguns são pelo direito, outros pelo avesso…

    Há pontos que se perdem…

    Mas que podemos recuperar…

    A lã que o bom Deus nos dá,

    Para crochetar nossa existência, é de todas as cores:

    Rosa como nossas alegrias, negra como nossos sofrimentos,

    Cinza como nossas dúvidas, verde como nossas esperanças,

    Vermelha como nossos amores, azul como nossos desejos,

    Branca como a fé que temos nele.

    Quantos pontos caberão no crochê de tua vida?

    Só Deus é quem sabe !!

    http://www.titacarre.com
    http://elo7.com.br/titacarre

  • Oi Jussara,

    eu te vi no blog da Elisa e quis conhecer o seu blog. Eu também sou mineira. Você é de onde? Pode ser que estejamos perto.

    Muito bom seu blog e seu post. O texto que voce escolheu do livro é lindo!
    fica aqui o convite para voce conhecer o meu blog.
    abraços

    Leila

    Ah! Eu estou em Divinópolis. E voce? Em que canto de Minas você está?

  • Oi Jussara, que saudades de passar aqui! Não conhecia o jovem autor RIGGS Ransom nem mesmo tinha ouvido falar. A obra parece genial e com certeza devera fazer sucesso entre os jovens leitores; internato, mistério, medo… Instigante.
    Espero que seu pai esteja melhor viu? Já passei pela experiência de ajudar filhos que se mudam para o exterior e sei que é uma época tumultuada, e demora a vida entrar nos eixos de novo, mas tudo volta ao normal te garanto.
    Muito bom passar aqui, ler os coments… Bj grande yvone

  • Oi Jussara!
    saudades daqui
    Espero que seu pai se restabeleça o melhor possível
    não sabia que você tinha filhos adultos, parece ser tão novinha!
    Não conheço esse autor, mas o livro é interessante, me fascina
    gosto de temas assim, misteriosos e envolventes
    assim como a imagem da menininha duplicada na água! legal demais
    quando jovem me impressionava ler os livros da Agatha Christie
    hoje em dia, não mais. Afinal é ficção, imaginação fértil, rs
    bjo boa semana Zizi

  • Oi Jussara, passei para saber como você está! Não tenho te encontrado por aí, nos blogues que frequentamos, então fiquei preocupada. Espero que esteja tudo bem com seu pai! Beijinhos carinhosos…
    Denise

  • Querida, pai doente e filhos em fases de mudanças drásticas. Espero que consiga lidar bem com tudo isso. Quanto ao livro/autor não conhecia e fiquei super curiosa!
    Beijinho, minha querida Jussara. Que as forças e o sorriso não lhe faltem.
    Ruthia d'O Berço do Mundo

  • Jussara,

    Que bom vê-la publicando suas resenhas.
    Que bom vê-la traduzir-se em palavras mesmo diante das "porosidades"!

    Abraço outonal,
    Roberto.

  • Cara Jussara, eu simplesmente adoro o livro, eu li ele em poucos dias e li outra vez com mais calma, agora comecei o Cidade dos Etéreos, ainda não comentaria dele por não conhecer bem, mas estou entusiasmada, sou nova em leitura e estou me divertindo bastante.
    Fiquei muito feliz em ler seu post, obrigada por compartilhar este tão divertido, triste e aventureiro conto.

    Muito obrigada,
    Beatriz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *