“O poeta é um fingidor...” e o eu-lírico quem é?

sábado, setembro 29, 2012 Jussara Neves Rezende 28 Comments


Ao escolher a palavra “fingimento” para expressar a situação vivida pelo poeta – a de revelar sentimentos não necessariamente seus – Fernando Pessoa reinvindica para a poesia o mesmo “direito” exercido pela prosa: o de criar personagens.


Na prosa, entretanto, as personagens figuram dentro de um enredo em que tempo e espaço lhes conferem verossimilhança, ou seja, as situações vividas dentro de um determinado cenário, numa certa época, fazem com que a personagem pareça um ser de verdade. No caso da poesia não há enredo; há uma voz que fala, em versos, de emoções geradas por situações que não são descritas, mas apenas sugeridas.
Ora, antes que o poeta português deixasse claro que em versos também é possível criar uma personagem, havia muita confusão sobre os sentimentos expressos no poema serem ou não aqueles experimentados pelo poeta. Hoje se sabe que a voz do poema pode até exprimir emoções nascidas de vivências do autor, mas que não se deve considerar isso uma regra: as emoções podem ser imaginadas, criadas, “fingidas”.
O eu-lírico, portanto, não é o poeta, da mesma forma que o narrador de um romance não é, necessariamente, o seu autor. O eu-lírico é uma espécie de personagem dos textos poéticos que, justamente por estar fora do espaço/tempo que caracteriza os romances, está apto a representar a abstração dos sentimentos.


Imagens deste post: Google Imagens
Porque poesia para ser boa, para ser poesia de verdade, não fala de um amor, de uma paixão, de uma dor ou de uma alegria específicas, mas, a partir dessas experiências concretas, delas retira o que é fato e as eleva à categoria de abstração: fala-se, assim, do Amor, da Paixão, da Dor ou da Alegria, sentimentos eternos que não pertencem a um ser específico, mas à espécie humana; que não se prendem à uma época apenas, mas podem ser vivenciados em qualquer tempo; que não estão restritos a um lugar, pois podem ser vividos em qualquer canto do mundo.

 

Comente, comente, comente... vou amar!
 
              Beijo&Carinho,
 Jussara



28 comentários:

  1. QUE TEXTO BACANA, CONTERRÂNEA!!!
    ALTEREI O NOME DA TUA DOG PRA LULU, TÁ? KKK
    TEM HISTORINHA NOVA HOJE, NO BLOG DOS MEUS GATOS. LEIA, QUANDO PUDER.
    TENHA UM LINDO DOMINGO E UMA ÓTIMA NOVA SEMANA!
    ABRAÇÃO PROCÊ E INTÉ MAIS VÊ!! :)

    ResponderExcluir
  2. Ju, obrigada pelas menções no post do sorteio. Fico feliz em poder ser útil. Amo poesia de uma forma contraditória: adoro ler e ensinar, mas não tenho um só verso de minha autoria, como já lhe disse em outros comentários. Essa eterna dúvida sobre os sentimentos do eu-lírico envolve a poesia com interrogações e isso é o que mais me fascina.
    Vou encerrar com versos do próprio mestre Fernando Pessoa que sempre me provocam um desassossego positivo:
    (...)
    "Não sei se a vida é pouco ou demais pra mim.
    Não sei se sinto demais ou de menos.
    Mas seja como for, a vida,
    de tão interessante que ela é a todos os momentos,
    a vida chega a doer, a cortar, a roçar, a ranger,
    a dar vontade de dar pulos, de ficar no chão,
    (...)

    Abraços, Ju.
    Boa semana para você.

    ResponderExcluir
  3. Oii Jussara, acho muito interessante a criação de personagens feita por Fernando Pessoa, não entendo muito de poesias e prosas mas sei que a mesma será eterna pois os assuntos e sentimentos que inspiram os poetas são eternos! Bjinhosss

    ResponderExcluir
  4. Penso que quem escreve tem, com maior ou menor intensidade, esse mesmo jeito de "ver" as coisas.
    Inspirada por algum momento ou sentimento, a poesia pode até ser autobiográfica, mas nem sempre é assim. O texto é ótimo e a conclusão é perfeita! Amor, Paixão, Dor ou Alegria são sentimentos eternos que pertencem à espécie humana e podem ser vivenciados em qualquer tempo e em qualquer lugar.

    Sempre bom estar aqui, Jussara!

    Um beijo no coração e meu sempre carinho!

    ResponderExcluir
  5. Lindo, Jussara! A ponte mágica que liga o leitor ao autor, através das palavras de um poema, independe de tempo e circunstância, traduz o sentimento...
    Linda semana prá vc!
    Bjs,Ana

    ResponderExcluir
  6. Jussara,
    Amei o seu post, nunca tinha pensado dessa forma! Amei a tua explicação.
    Nunca fui de gostar de poesias, mas agora com essa sua explicação meu olhar vai ser outro para elas.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  7. Acredito que sempre exista um fundinho, nem que remoto, de verdade ,no que é escrito...Lindo texto! beijos,chica

    ResponderExcluir
  8. Oi, Jussara!!
    Muito interessante o seu post. Acredito que uma poesia é boa qdo atinge o coração das pessoas. Sou leiga neste assunto (academicamente falando), mas adoro ler poesias!!
    Obrigada pelo seu carinho lá no meu blog, viu?! Amo suas visitas.
    Bjns

    ResponderExcluir
  9. Minha poesia favorita desde pequena. Autopsicografia.

    Sempre gostei muito. Fernando Pessoa, Carlos Drummond, Vinicius de Moraes.

    Beijos e um ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Ju,

    A sua conceituação do eu-lírico e da própria poesia é perfeita: didática e simples! rsrs.
    Preciso dizer que gostei? rsrs.

    Beijo e boa noite!

    ResponderExcluir
  11. Oi Jussara vim agradecer a sua visita ao meu brechó e te desejar um ótimo dia!
    bjs
    kelly bazar

    ResponderExcluir
  12. Oi Jussara vim agradecer a sua visita ao meu brechó e te desejar um ótimo dia!
    bjs
    kelly bazar

    ResponderExcluir
  13. Oi Jussara, é a Vi,tipo assim, eu disse, mas não assumo meus sentimentos,kkk
    Quando a gente é adolescente escreve muito usando este padrão, afinal tentávamos camuflar nossas duvidas e medos, mostrando aos outros algo que na verdade não eramos.
    Gostei, afinal fazem décadas que estudei literatura e para ser franca, eu era especialista em colar e super preguiçosa para estudar;Hoje eu assumo que sou eu mesma que fiz a porcaria,kkkk
    Beijos,Vi

    ResponderExcluir
  14. Com muita atenção e assimilando suas palavras, li seu post inteiro. Apaixonada por uma leitura, por Fernando Pessoa, por seus heterónimos, por sua poesia que depois de tanto anos, continua tão viva nesses novos tempo. E hoje, aprendi com sua última frase, a tempos procurava essa definição: "Poesia para ser boa, para ser poesia de verdade, não fala de um amor, de uma paixão, de uma dor ou de uma alegria específicas, mas, a partir dessas experiências concretas, delas retira o que é fato e as eleva à categoria de abstração: fala-se, assim, do Amor, da Paixão, da Dor ou da Alegria, sentimentos eternos que não pertencem a um ser específico, mas à espécie humana"...

    Por isso que me encanto com os poetas mais antigos. Pois eles retrata uma situação, uma experiência que pertence não só a época, mas a humanidade.

    Um beijo enorme e com muito afeto!
    Um dia cheio de dádivas...
    Lorena Viana

    ResponderExcluir
  15. Jussara...
    Adorei saber disso!
    A gente lê poesia, mas não pensa nisso.. apenas lê. Muito interessante.
    Fernando Pessoa é um dos meus preferidos.

    Um ótimo restinho de semana pra vc...
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Ju,muito legal o post.
    Sabe que eu vi a estante de bobina e lembrei de você, já imaginei na sua biblioteca,cheia de livros e servindo de apoio para um cafezinho recém coado.E a negociação com a vizinha,rolou ou não?
    Quanto as posts natalinos(quase escrevi navideños,derrr)sairão do forno toda segunda,pode esperar,idéias lindas e fáceis.
    Besitos

    ResponderExcluir
  17. Oi Jussara
    Minas de mim também é cultura! Amei seu post,
    "O poeta é um fingidor.
    Finge tão completamente
    Que chega a fingir que é dor
    A dor que deveras sente".
    Adoro o poeta, filosofo que morreu tão cedo.
    bj e obrigada por compartilhar.
    yvone

    ResponderExcluir
  18. Oi Jussara!

    As vezes a gente lê uma poesia e não entende muito bem...
    Adorei sua explicação!
    Eu adoro poesias de amor...
    Adorei o post!

    bjus

    ResponderExcluir
  19. Bom dia Jussara.. Passando pra conhecer seu cantinho e adorei..
    Já fui ficando por aqui..
    Concordo que poesia toca nosso coração enos faz viajar..
    Adoro!!
    Um beijo e um fim de semana especial..
    Sheila

    ResponderExcluir
  20. adorei seu texto, escrevia muita poesia quando mais jovem, hoje em dia parece que a fonte da inspiração secou..rsrs.. beijos e ótimo final de semana
    http://meuemagrecimentoreal.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  21. Olá minha querida e respeitada Jussara, tudo bem?

    Como sempre posta lindas histórias, poesias e fatos muito interessantes, e essa não seria diferente...





    Obrigada pelo carinho......



    BJS!!!!!!!

    ResponderExcluir
  22. Jussara querida!

    Quando há "uma voz que fala" dentro de mim, consigo escrever.

    Seu texto é sempre perfeito e completo. Estava já com saudades daqui.

    Escrevemos, minha linda. Talvez poesia, talvez prosa... O que vale é externar o sentimento em nós.

    Beijo no coração

    ResponderExcluir
  23. Oi Jussara,q bom q conseguiu.
    Na verdade ele ñ estava habilitado,ai consegui habilitar essa semana q passou. Adorei o texto...ai,preciso vir aqui com tempo!
    Boa semana.
    Bjks.

    ResponderExcluir
  24. Fernando Pessoa .... amo... amo... amo...

    Bjs
    Fats

    ResponderExcluir
  25. Jussara
    Sempre gostei de ler Fernando Pessoa e tentar entender as três faces dele.
    Adorei a sua explicação.Adoro ler os seus textos . São de muita mestria.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  26. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir
  27. Ju minha querida! Quero te desejar uma quinta-feira iluminada e abençoada.
    Beijo imenso de muita saudade.
    Lorena Viana

    ResponderExcluir
  28. Falar de Fernando Pessoa não é fácil. Ainda mais extrair de seus poemas considerações tão concisas como as que você fez deste fingidor. Adoro Pessoa, como um todo, como um poeta que tão bem incursionou por tres facetas tão distintas e deu a elas identidades distintas de tempos distintos. E você, mestra, capta como ninguém as nuances de Pessoa. Parabéns!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!