Vocabulário Mineiro

Vocabulário Mineiro

Quando Guimarães Rosa ainda era médico e andava pelo interior de Minas – recebendo como pagamento bolo, queijo, pudim ou galinha – levava um caderninho onde anotava o falar do povo dos diversos lugarejos que percorria. Esse palavreado era depois utilizado nos livros que escrevia. Hoje muita gente pensa que Guimarães Rosa inventou determinados falares regionais (o que de fato ele fez; sua obra é cheia de neologismos), mas grande parte das expressões estranhas com as quais o leitor se defronta nos casos narrados por esse “fabulista fabuloso” são termos realmente empregados no dia a dia do mineiro. Como o estado de Minas é grande, variam lugares e expressões, mas é bastante plausível se falar em vocabulário, dialeto ou linguajar mineiro. Eis alguns exemplos que se tornaram de domínio público, circunstância que reforça o que acabo de afirmar:

 

MINERIM = “Mineirinho”; típico habitante das Minas Gerais.

MINERÊS ou MINEREIS = língua falada em Minas, ou vocabulário mineiro.

IM = sufixo para forma diminutiva. Ex. “piquininim” (para “pequenininho”), “lugarzim” (para

“lugarzinho”), “bolim” (para “bolinha”), “vistidim” (para “vestidinho”), “sapatinho” (para “sapatinho”).

MM = É o gerúndio do minerês. Ex.: “brincamm” ao invés de “brincando”; “corremm” ao invés de “correndo”, “imm” ao invés de “indo” e “vimm” ao invés de “vindo”.

ORO, ARU, ERU, IRU = formas usadas em verbos da 3ª pessoa: Ex.: “Eles foru lá e dançaru, beberu, garraru umas muié e dispois fugiru”.

DOCÊ = minerim falando “de você”.

KÉDI? = o mesmo que “cadê?”, “aonde está?”.

PRÉSTENÇÃO = é quando o minerim está falando e você não está ouvindo.

DEU = o mesmo que “de mim”. Ex.: “Larga deu, sô!”.

SÔ = seria uma abreviatura de “senhor”, “seu”, “sinhô”, mas acaba por funcionar com ponto final em qualquer frase. Quer um exemplo?  Veja o final da explicação do verbete anterior.

DÓ = o mesmo que “pena”, “compaixão”, mas o mineirim sempre usa acompanhado de “ô” ou “qui”: “Ô dó!”, ou “qui dó!”.

DI VERA? = o mesmo que “de verdade?”.

GARRÁDU = o mesmo que “junto”.

NIMIM = o mesmo que “em mim”. Ex.: “Ocê vive garrádu nimim. Larga deu, sô!”.

NÓOO = não tem a ver com laço apertado, não. É uma expressão de espanto, o mesmo que dizer “nossa!” e vem da exclamação “Nossa Senhora!”.

PELEJANU = o mesmo que “tentando”. Ex.: “Tô pelejanu cum esse trem né di hoje… qui nó cego!” (nó aqui é nó mesmo).

NÉ??? = “Não é?”.

PINGA = o mesmo que cachaça. Mineirim acha “danadibão (“danado de bom” ou “bom demais”) cum tutu de feijão e uns “torresmim” (“torresminhos”).“Bão tamém cum franguim cum quiabo”.

TACÁ = o mesmo que “jogar”. Ex.: “Taquei tudo fora!”.

I = o mesmo que “e”. Ex.: “minino”, “ispecial”, “eu i ela”, “vistido”, “isquisitu”.

UAI = expressão dubitativa que por si só justifica um post (que ainda farei).

MEZZZ = “mesmo”.

ÉMEZZZ? = Minerim querendo confirmação.

ÓIQUI = Minerim tentando chamar a atenção para alguma coisa. Seria o mesmo que “olhe aqui”.

TI = O irmão do pai ou da mãe. Ex.: “A muié do ti é a tia”.

INTORNÁ = O mesmo que “entornar”, “transbordar”. Usada quando o mineirinho quer avisar que determinado líquido “num cabe na vazia” (“vasilha”).

PÃO DE QUÊJO = Alimento fundamental na mesa “minêra”.

TUTU = A preferência da maioria dos minerim. Trata-se de uma mistura de farinha de milho “cum” feijão amassado e uns “temperim” lá da horta.

TREM = Palavra que não tem nada a ver com o meio de transporte e pode significar qualquer coisa que o minerim quiser. Ex.: “Já lavô us trem?”; “Eu comi uns trem isquisitu lá na festa”; “Vamo lá tomá uns trem?”; “Qui trem qui é aquilo na oreia da muié, sô?”. É comum que exemplifiquem o uso dessa expressão com a seguinte historinha: Mineirim e família, cheios de bagagem, na plataforma, à espera do trem. Quando este aponta, apitando, mineirim se vira para a esposa e diz: “‘Muié, pega os trem que a coisa vem vino’” (“vindo”).

MA QUI BELEEEZZZ = Expressão que exprime aprovação, admiração.  O zzz finais significam o som sibilante e prolongado da exclamação.

BELORZONTI = “Capitár di” Minas Gerais.

 TRIÂNGO MINÊRO = Triângulo Mineiro.

BERABA e BERLÂNDIA = Cidades famosas do “Triângo Minêro.

GIZDIFORA = Juiz de Fora, cidade mineira próxima ao Estado do Rio de Janeiro, o que confunde a cabeça do minerim que não sabe se é minerin ou carioca.

PÓPÔPÓ? = A mineira perguntando ao marido se pode pôr o pó (ao fazer café).

PÓPÔPOQUIM = “Pode pôr um pouquinho”; resposta afirmativa do marido.

ESTAÇÃO = Onde desembarcam os minerim com as malas cheias de “quêjo” (“queijo”).

CONFÓFÔ EU VÔ = “Conforme for, eu vou”.

OIÓ, TÓ = “Olha aí, olha, toma” (ou pegue).

MAGRILIM = Indivíduo muito magro.

DEUSDI ou DEISDI = “desde”. Ex.: “Eu sou magrilim deisdi que eu era rapazim”.

NIGUCIM = “Pequeno negócio”, qualquer coisa que o minerim acha pequena.

NÉMERMO? = “Não é mesmo?”. Minerim procurando concordância com suas ideias.

ESPIA = o mesmo que “olhe”, “veja”. Quem já não ouviu dizer que “mineiro não olha, espia”?

QUINÉM = advérbio de comparação, “igual”. Ex.: “Ela saiu bunita quiném a mãe”.

ARREDA = verbo na forma imperativa, semelhante a sair, deslocar-se, mover-se. Ex.: “Arreda pra lá, sô!”.

BÊJO = “beijo”.

BEJIM = é “bêjo miudim”.

CAUSU = “caso”, “história”. Mineirim se diverte ouvindo ou contando uma boa história.

MODIDIZÊ = o mezzz qui “modo de dizer”.

ISTEITIS = para onde os minerim foram (continuam indo?) de mala e cuia…

 

Apesar do linguajar istranho, minero é gente booaa dimais! Enquanto conta causus, põe a mesa pro café: bolo di fubá cremoso, quêjo, bolachinhas de nata, manteiga fresquinha e pão tirado do forno. Tá servidu?

 

 

Beijo&Carinho,

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Este é o post mais lido deste blog. Creio que o mais comentado também. Entretanto, muitos comentam como “Anônimos” e fico sem poder garantir que minha resposta chegue até eles. Se esse é o seu caso, peço-lhe que volte ao post alguns dias depois para encontrar meu comentário em resposta ao seu. Ou escreva, se preferir, para [email protected] e lhe enviarei, por e-mail, uma resposta.

Se você gostou deste post, indico-lhe a leitura de “Dialeto Mineiro” e de “O que significa ‘nemezzz’?”. Além desses há muitos outros textos carregados de mineirice por aqui.

Seja sempre bem vindo(a) e boa leitura! Obrigada! 🙂



72 thoughts on “Vocabulário Mineiro”

  • A-HÁ!! VOCÊ COLOCOU QUASE TODO O NOSSO VOCÁBULO, CONTERRÂNEA PORÉM, FALTOU A PALAVRA DO DIALETO "MINEIRÊS" QUE EU MAIS GOSTO: PRONQUINÓISTAMINU". ESSA É DEMAIS, CÊ NÃO ACHA?
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    VISITE MEUS BLOGS. TEM NOVIDADES E, NO BLOG DOS MEUS GATOS, TEM UMA BRINCADEIRA PRA VOCÊ!!
    ABRAÇÃO PROCÊ, UAI!!

  • Jussara,eu tiro nota 10 em mineirês.
    Morava "nu Berlândia,nóooo mais gorinha tô longi dimais da conta,curuiz.
    Moro berano o corgo do Mediterrâneo,nas Zoropa."
    Eu deixo bilhete na porta para o mais velho quando saio, em mineirês "Fumu no parqui levá os minino e dispois vamú comprá uns trem.
    Vortamú num minutim".
    Vizinhança lê deve pensar,que que isso?Que idioma é esse?
    Adorei o post,tenha uma semana abençoada.
    Besitos

  • É claro que você foi se encantar com o 'Chiclete de Camarão' de Maceió, para não negar as origens. E mesmo vindo para São Paulo, por exemplo, essas palavras permanecem. Dia desses ouvi de uma aluna que "pra fazer poema tem que 'pelejar' muito", com certeza lá atrás estão as origens mineiras.
    Delícia de ouvir!
    Abç e bom domingo.

    Em tempo: queria lhe enviar um poema feito por uma aluna minha do 5º ano, premiado em um concurso municipal com o tema "Àgua". Adoraria ler sua apreciação crítica para ajudar a direcionar meu trabalho. Pode ser?

  • Ah, como eu adoro Minas…
    Minha cidade é divisa, então os costumes mineiros praticamente fazem parte da cidade. Amo!!!

    Jussara, obrigada querida, por todos seus comentários carinhosos….
    Beijos e ótima semana pra vc!

  • Olá Jussara, tudo bem?

    Amiga, você é especial mesmo, falo isso, porque lendo seu post, me bateu uma saudades muito grande de uma amiga que hoje ela voltou a morar em Varginha, além de ter sido minha vizinha, ela foi e é uma grande amiga que guardo no coração. Ela foi até madrinha de casamento de minha filha mais velha. O nome dela é Rosa, eu a quero muito bem.
    Quando ela viajava para Minas, sempre quando voltava trazia o famoso Pão de Queijo, pois ela sabia que todos aqui de casa gostava, pois esse pão é especial mesmo, bem diferente do nosso aqui.
    Quero desejar tudo de bom, que Deus sempre continue abençoando você e todo seu conhecimento, pois através dele, você consegue transmitir para nós coisas maravilhosas e consegue mexer com nosso interior, parabéns…….Continue sempre sendo essa pessoa especial e que eu admiro muito mesmo sem a conhecer pessoalmente.

    Obrigada pela visita e pelo seu carinho…..

    BJS e ótima Semana…!!!

  • kkkkkkkkkkkkkkkkk
    Mai agora eu ri, viu?! kkkkkkk
    O "pópôpó" foi a melhor mesmo!
    kkkkkkkkkkkkkkk

    Nossa, seria interessante uma explicação dessa sobre o vocabulário paraibano!
    Tem cada coisa que até quem mora aqui às vezes se pega sem saber o que significa!
    kkkkkkkkkkk

    Sim, e sobre o mobile da porta, faz sim!!!
    E se precisar de alguma ajuda/dica é só falar! 😉

    :***

  • Bom dia Jussara,adorei o vocabulário mineirim.Aqui é muito bonito mesmo Ju,gosto muito de limeira,o único desabono para nós que adoramos uma net,é que não tem speedy por aqui.Estou perto do morro.Estamos com net móvel porém de 6 gigas não dá certo ela oscila muito.Um abraço bem forte pra vc minha flor,e ótima semana.Lili.

  • Oi, Ju, saudade!

    Adorei o post! Primeiramente por causa do minerês, que sempre me faz rir por ser a "língua" que eu cresci ouvindo, rsrs.
    E depois pelo Guimarães Rosa que eu considero um dos maiores escritores que este mundo já viu. Acho que ele não recebeu o reconhecimento mundial que merecia, por escrever em português, e ainda num português estruturado no minerês e em neogismos, como você mencionou, rsrs.
    Acho que as estórias de GR sempre são permeadas pelo rico conhecimento que ele possuia dos saberes e sabedorias humanas, considero-o mesmo superior a muitos escritores galardoados com o prêmio Nobel.
    Uma frase dele que considero ser uma síntese do que ocorre na vida é:

    "O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem".

    Beijo e boa semana!

  • Ri demais!
    Confesso que teve coisa difícil de tentar falar como boa paulistana que sou!
    Mas mineiro é tudo de bom e a culinária faz parte do meu dia a dia. Aqui tem sempre pão de queijo quentinho e café fresquinho.
    Um beijo

  • Olá Jussara querida, tudo bem?

    Eu e a Andréa adoramos a linda mensagem que voce deixou pro Enzo,
    obrigada de coração.

    Adorei saber de mais uma coincidencia
    em nossas famílias, que interessante,
    na hora até me emocionei de verdade.

    E o vocabulário do mineiro, ri muito.

    um beijo carinhoso

    Regina Célia

  • Oi Jussara.

    Agradeço sua visita e carinho no meu blog.

    Sou graduada em pedagogia, fiz pós graduação em Estudos Literários… estou pensando em tentar o mestrado em teoria literária aqui na UFJF…

    preciso de força!!! rs

    Adorei este post.

    É muito verdade que, pelo tamanho do estado de MG, os sotaques são bem diferentes.

    Vivo isso diariamente com uma colega de trabalho. Ela é de Varginha, sul de Minas e eu de Juiz de Fora, sudeste de Minas.

    São palavras que desconhecemos… palavras com significados diferentes… acaba sendo engraçado também.

    Um abraço pra ti.

    filhadejose.blogspot.com

  • gostei muito. Me filho até está usando para uma atividades escolar. Só faltou uma coisa… cadê a receita desse bolo de dar agua na boca???!!!!!
    abraços.
    Luci

  • Adoro esse linguajar mineiro, acho que é o módifalá mais bonito do Brasil. Aliás, gosto de um montão de coisas de minas, a culinária, a paisagem etc. etc. Mineiro é privilegiado, além de ter tudibão ainda fica no meio observando tudo que passa. Bejim
    Jona

  • Sou mineiro e não falo assim. Isso é falar errado, parece pessoal da roça. Na minha opinião Mineiro é um dos mais tradicionais nos dialetos e girias, pois não acrescenta muito. O que é notável é "uai, sô" e mais nd.

    • Eu também sou mineira e não falo assim. Basta uma lida em qualquer um dos textos que publiquei aqui para se certificar disso. Acredito, inclusive, que a língua portuguesa aqui no Brasil é pronunciada com maior perfeição pelos mineiros de Belo Horizonte e seu entorno. É inegável, todavia, que grande parte dos mineiros do interior se expressa através dos termos elencados neste post. É errado? Linguisticamente não, uma vez que tais expressões servem ao propósito de comunicação, muito embora estejam erradas gramaticalmente. "Parece pessoal da roça"? Parece, sim, mas mineiros habitantes de zonas rurais e suburbanas há aos montes. E falam assim.
      Agradeço sua participação, assim como a de cada um que comentou aqui 😉

    • Querido ANONIMO sou mineira com muito orgulho e falo assim toda vez que quero. acho muito gostoso e não é errado , é uma linguagem COLOQUIAL. aqui em minas a vários lugarejos rurais onde as pessoas falam assim o tempo todo e eu particularmente acho a linguagem UMA DELICIA!!! tem nada mió não..
      Abrs

    • Jussara cê tá di parabeis!chorei di sardadi i rir de lembrar da roça, é uma linguagem para comunicação,onde todos de lá se entende uai! Em todos os países os seus estados tem suas culturas,como aqui no Brasil, Rio de Janeiro,São Paulo, Ceará e entre outros. Falar a linguagem de raiz,caipira é bão dimais sô !!!

  • Boa noite. Sou escritor, e estive pesquisando um pouco do vocabulário mineiro para a composição de um texto, e achei o seu blog, do qual gostei muito. Como agradecimento, gostaria de publicar aqui, porém, o número de caracteres não permite que eu o faça. Caso ache interessante, por favor me envie o seu e-mail.

    Abraço.
    IVAN SANTTANA

    • Semo bobo, não, Anônimo. Somo é danado di ispertu!
      É que nóis apreceia boa prosa… e falar arrastado, cum essas palavras que só nóis cunhece, faiz a prosa ficá mió ainda! kkk

  • sô minêro da gema, de Unaí-MG, tem base? Esse tipo de falá é o meu memo, naturalmente falo assim. gostei dimais da conta dessa página, é a minha cára! Parabéns procê Jussara, isso é muito portante pu povo vê como é ser um minêro, dorei ess'treim!
    me senti em casa uai. Bêjo procê e pa todo minêro de verdade que intendi o que iscrivi.
    Sô cê num s'importá, vou compartiá cum meu'zamigo do face qui são gaucho! eis vão ri de mais da conta! kkk
    Tudibaum procê!
    Geraldo de Barros – 151031

  • Adorei a matéria. Ri muito, mas se forem conhecer o vocabulário da minha terra, os mineiros vão rolar de rir. Sou gaúcha. Amei, pois assim nós conhecemos mais um pouco desse povo lindo. Já fui convidada por uma mineira para ficar na sua posada. Quando eu for, já estarei preparada para entender minerês. Bjs, querida!!!!

  • A tecnologia do Abraço — Por um Matuto Mineiro
    O matuto falava tão calmamente, que parecia medir, analisar e meditar sobre cada palavra que dizia…
    ..
    – É… das invenção dos homi, a que mais tem sintido é o abraço.
    O abraço num tem jeito di um só aproveitá!

    Tudo quanto é gente, no abraço, participa uma beradinha…
    .
    Quandu ocê tá danado de sodade, o abraço de arguém ti alivia…
    .
    Quandu ocê tá cum muita reiva, vem um, te abraça e ocê fica até sem graça di continuá cum reiva…

    Si ocê tá feliz e abraça arguém, esse arguém pega um poquim da sua alegria…

    Si arguém tá duente, quandu ocê abraça ele, ele começa a miorá, i ocê miora junto tamém…
    .
    Muita gente importante e letrado já tentô dá um jeito de sabê purquê qui é, qui o abraço tem tanta tequilonogia, mas ninguém inda discubriu…

    Mas, iêu sei!Foi um ispirto bão de Deus qui mi contô….. Iêu vô contá procêis u qui foi quel mi falô:
    O abraço é bão pur causa do Coração…
    .
    Quandu ocê abraça arguém, fais massarge no coração!…

    I o coração do ôtro é massargiado tamém!
    .
    Mas num é só isso, não…
    Aqui tá a chave do maió segredo de tudo:
    .
    É qui, quandu nois abraça arguém, nóis fica cum dois coração no peito!…
    ..
    INTONCE…UM ABRAÇU PRÔ CÊ!!!!

  • Sou mineiro da zona da mata, cidade Cataguases, tenho muito orgulho de ser mineiro e sou apaixonado por Minas, apesar de morar em São Paulo há mais de 40 anos. Quando alguém fala mal de Minas eu num gosto e dá vontade de RAIA´ com a pessoa PA VÊ se ela BRANDA e também não gosto fica CAÇOANDO do jeito de falarentão nem pense em BULIR comigo. Mias é bão DEMAIS DACONTA SÔ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *