“Uma tradição de há séculos”

“Uma tradição de há séculos”
Se eu não me casasse jovem, como me casei, e me coubesse na vida a sina de “ficar para titia” – expressão e pensamento hoje obsoletos – eu teria esperado muitos anos até ter um bebê para chamar de meu. Minha sobrinha Nara nasceu quando o Gabriel, meu filho mais velho, já tinha 12 anos e minha caçula, Ângela, tinha 7. Foi uma alegria ter de novo um bebê na família – alegria que o nascimento do Edison, irmão dela, três anos depois veio completar. Eles moravam longe, em Minas mesmo, mas no Vale do Jequetinhonha, a 12 horas, de carro, daqui. Não nos víamos com a frequência que eu desejaria e era bem frustrante encontrá-los crescidos sem que eu tivesse acompanhado cada etapa desse crescimento. Meus pais os visitaram muitas vezes, nesses tempos de Vale do Jequetinhonha, mas meus filhos e eu não fomos mais que uma ou duas vezes até lá. Então era esperar que viessem passar conosco os Natais…

Pessoalmente acho a Charlotte uma sobremesa deliciosa, linda, leve e com a cara do Natal. Então sempre me entreguei, ao longo desses anos, a prepará-la para depois da ceia. Acabou por virar uma tradição familiar que minha sobrinha Nara, hoje com 13 anos, parece acatar como “uma tradição de há séculos”, como diria o poeta Álvaro de Campos, pois no dia 25 de novembro postou o seguinte comentário num post em que eu compartilhava uma receita de “Rosca em Flor” (http://www.jussaraneves.com.br/2011/11/leitura-e-culinaria.html): “Tia Jussara, parabéns pelo seu blog; agora só falta a receita da Charlotte… bjoos, Nara”.

Não é linda a minha Narinha?
Além do desejo de partilhar essa gostosura que é tão fácil de fazer, é para atender também a essa chamadinha fofa da minha sobrinha que posto hoje a tal receita. Se fizerem, não deixem de me contar. Vou adorar saber!

                                                                       CHARLOTTE

INGREDIENTES
1 lata de leite condensado
   A mesma medida de leite mais 2 xícaras para molhar os biscoitos
1 colher (sopa) de maisena
4 ovos
8 colheres (sopa) de chocolate em pó
200 g de biscoito champanhe
4 colheres (sopa) de açúcar
1 lata de creme de leite
Chocolate granulado, cerejas frescas e/ou folhas de hortelã para decorar
MODO DE FAZER
Em uma panela junte o leite condensado, a mesma medida de leite – com a colher de maisena ali dissolvida – e as gemas e cozinhe em fofo baixo, mexendo sempre, até formar um creme consistente. Espalhe uma camada desse creme em uma travessa e reserve.  Em uma vasilha, misture o chocolate em pó com as duas xícaras de leite. Passe os biscoitos ligeiramente nessa mistura e alterna camadas de creme e de biscoitos molhados, terminando com biscoitos. Bata as claras em neve, acrescente o açúcar e continue batendo até obter o ponto de suspiro. Junte o creme de leite, misture delicadamente e despeje sobre os biscoitos. Leve à geladeira por 1 hora no mínimo, antes de servir. Decore com chocolate granulado, cerejas frescas e/ou folhas de hortelã antes de levar à mesa.
Minha cozinha mineira à espera do Natal
 
Ahh!… já ia me esquecendo de dizer que meu irmão voltou para Machado com a família. Estamos todos juntos de novo!

                                                                Abraço! Até depois!



6 thoughts on ““Uma tradição de há séculos””

  • Jussara, não imaginava que você gostava tanto de cozinha! rs!
    Estou feliz por ler seu blog e todos os dias estar próxima a vc de novo. Suas palavras fazem-me lembrar aquelas aulas maravilhosas de anos cada vez mais esquecidos. É como se tivesse ouvindo-a.
    Nunca deixe de postar novos textos, porque se não eu vou me sentir só de novo, é bom tê-la por perto, aprendo muito. Você talvez não saiba, mas continua sendo minha professora! Agora a sala de aula é o blog Minas de Mim.

  • Pois, é, Fabiana, nem eu… rs. Pra dizer a verdade, gosto de experimentar receitas, amo fazer pães… não gosto mesmo é da responsabilidade da refeição diária. Dessa, se pudesse eu escaparia…
    Não pretendo deixar de postar, pois tem sido um exercício para mim – de escrita mesmo, de libertação… MASSSS… que responsabilidade a do blog a de ser uma sala de aula, menina! Meus textos querem apenas fazer refletir sobre algumas coisas, sorrir por outras. Se conseguir tocá-la, assim, já terão cumprido sua missão.
    Abraço e saudade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *