Alquimia - Poema de Jussara Neves Rezende

sábado, novembro 05, 2016 Jussara Neves Rezende 8 Comments



O poema é de minha autoria, a imagem é cópia de uma tela pintada a óleo por Marie, em 2008, tela 50X70cm. Mais informações aqui.


Beijo&Carinho,

Jussara

Obs.: Vou publicar agora um punhado de comentários que descobri pendentes... e responder a eles! :) Quem gosta de encontrar respostas (sim, há quem as procure), em breve há de achá-las, está bem?
Pretendo também comentar em breve o conto publicado no post anterior... a questão da loucura é tema recorrente no universo literário...

Você já está participando do sorteio que está rolando aqui?



8 comentários:


  1. Dor, cor, magia,
    pontas-de-lança da alquimia
    corpos nus
    fogachos de luz
    corpos nus quando
    Por breves momentos
    a tristeza dança com a alegria.

    Inspiradora, Jussara. Grato.

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu é que lhe devo agradecer, AC, por deixar aqui um puro poema. Sinto-me honrada por merecê-lo.
      Abraço!

      Excluir
  2. Lindo, Jussara, "da tristeza tira beleza e poesia"!
    Dores que nos entristecem e se manifestam através da escrita dos poetas... Amei, bela inspiração!
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “Que seria de nós sem o socorro das coisas que não existem"? pergunta o poeta. De fato, sem a arte seria muito mais difícil suportar a vida. Eu sei muito bem que há muito teria sucumbido.
      Fico feliz que tenha gostado do poema, Teresa!

      Excluir
  3. Respostas
    1. Obrigada, Cristiane! Tive sorte de encontrar a Marie que expressou em cores e traços a dor que eu queria verter em versos. Acho que resultou num belo casamento as nossas artes.
      Obrigada, querida!

      Excluir
  4. Se vivesse na Idade Média, com certeza seria perseguida pela Inquisição por ousar pôr em palavras e, mais, pôr em verso toda a alma desnudada. Alquimia pura.
    Abraço
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu seria considerada uma feiticeira, com certeza, naqueles tempos nebulosos, Ruthia, querida.
      Abração!

      Excluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!