Caderninhos de notas ou Moleskines

quinta-feira, outubro 06, 2016 Jussara Neves Rezende 30 Comments



Não saio de casa sem um livro na bolsa. Isso me livra do estresse em filas de banco, salão de beleza ou consultório médico. Enquanto as pessoas se desesperam com qualquer sinal de demora eu mergulho no enredo que me aguarda e nem me dou conta do mundo ao redor. Claro que levo um livro pequeno, ainda que em casa eu esteja a ler Em busca do tempo perdido ou Ulisses.
Pequeno é, também, o caderninho de anotações que segue junto. Nunca se sabe quando a inspiração vai exigir registro e, na dúvida, é bom ter por perto papel e caneta. Eu tenho. Já tentei anotar no tablet. Anoto, às vezes, mas só o fato de escrever, vertendo tinta, parece capaz de conferir um sentido maior ao escrito, além de facilitar a memorização.  



Claro que vez por outra o registro no caderninho acaba sendo o de um endereço ou telefone e até mesmo uma pequena lista de compras, mas versos iniciais de um poema e até mesmo poemas inteiros já nasceram nesses pequenos blocos de papel, assim como ideias para crônicas, contos, aulas e projetos.


São aliados da criatividade esses caderninhos, chamados também de moleskines por causa da marca de cadernos de notas produzidos pela empresa italiana Moleskine SRL. Confeccionados em capa dura, têm os cantos arredondados e uma tira de elástico que serve para mantê-los fechados ou abertos em determinada página. Além disso, têm a lombada costurada, o que permite que fiquem abertos a 180 graus, garantindo uma superfície plana ao escrever.

Depois que o romancista e escritor de viagens inglês, Bruce Chatwin, descreveu com brilhantismo os cadernos que usou, como escritor, os moleskines entraram na moda, muito embora os que encontramos hoje com facilidade no mercado sejam versões similares, não descendentes diretas da marca italiana.


A questão é que os moleskines são pequenos e cabem em qualquer bolso de camisa, o que foi desde sempre um atrativo para escritores e artistas plásticos ansiosos por arrolarem ideias inspiradas e inspiradoras. Consta que Van Gogh, Matisse e Picasso deles se utilizaram, assim com André Breton, Louis Férdinand Céline e Hernest Hemingway.
Aqui no Brasil é conhecida a história de Guimarães Rosa que, quando ainda era médico e viajava pelo interior de Minas recebendo como pagamento queijo ou galinha, levava um caderninho onde anotava o falar do povo dos diversos lugarejos por onde passava, o que gerou um extenso vocabulário mais tarde utilizado em sua obra.
Diante disso, ter um moleskine à mão passou a ser, para o escritor moderno, uma espécie de certificado de sua autenticidade como artista, muito embora a referência a tantos nomes famosos do passado, que o utilizaram, funcione para alguns como um inibidor da escrita, pois pode suscitar a ideia de que só pensamentos geniais devem ser ali impressos.


Quando eu era mais perfeccionista do que sou hoje eu poderia me preocupar com isso, mas atualmente, como já confessei acima, não me importo nem um pouco de misturar inspiração e lista de supermercado ou farmácia. Se a minha vida é uma mistura de tudo isso, por que razão meu moleskine não pode ser disso a expressão?

Beijo&Carinho,

Jussara


Nota: Fique atento ao próximo post... vou sortear 3 moleskines inspired (similares) e 3 exemplares do livro de poemas Breve lua, de minha autoria. Serão 3 ganhadores... Espero você!

30 comentários:

  1. Para além da abundante referência ao moleskine,registei, pela positiva, o seu apreço pela leitura de Marcel Proust, que há alguns anos preencheu as minhas horas de leitura. E, espontaneamente, sorri com agrado.

    Um beijinho, Jussara :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, AC. Acredito que escrevemos por isso mesmo: para descobrir co(ns)piradores... gente que respire o mesmo ar!
      Abraço!

      Excluir
  2. Também não saio de casa sem um livro.
    Mas levo o que estou lendo no momento.
    Gostei da ideia do caderno de anotações.
    Não uso, e já aconteceu de de perder uma idéia porque não anotei.
    Vou adotar essa ideia.

    Baci

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que estou a ler no momento é muito pesado, Fifia. Daí que ontem saí e escolhi um fininho para ir na bolsa. Só para me garantir, rs.

      Excluir
  3. Que delícia são seus textos!...
    ... E adorei... Faço rascunhos em vários papéis, o que pode resultar em dores de cabeça posteriores (rsrs)...
    Sim, somos uma mistura de tantas coisas!

    Beijos =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que elogio gostoso de receber! Obrigada, Nadine!
      Sim, sempre que faço rascunho em vários papéis acabo por perder algum e a me confundir depois, rs.
      Abraço! Feliz por tê-la aqui!

      Excluir
  4. Oi Jussara, eu nunca tive esse costume de anotar as coisas, acho que é relaxo e acabo perdendo algumas informações, as vezes quero me lembrar de algo que gostei e fico tentando puxar pela memoria, se tivesse anotado, não teria esse problema.
    Amei suas informações.
    Beijos,Vi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que puxar pela memória é um bom exercício, Vi. Mas já não confio tanto na minha.. então anoto, rs. Sou a rainha das listas!
      Bj! :)

      Excluir
  5. Ótima dupla: material para leitura e material para anotações!
    Nestes tempos em que vivemos, o maior desafio para mim, no momento, é me manter conectado comigo mesmo e meus pensamentos, para não me perder de mim, como tem se tornado cada vez mais frequente por aí...
    Tenho andado com uma pequena agenda, mas o resultado não tem sido dos melhores. Escrevo uma boa semente literária e, tempos depois, na hora de procurá-la para cultivá-la, dá um trabalho danado achá-la.
    Um caderno só para as as especulações e inspirações existenciais torna o processo criativo mais fácil e eficiente. Vou adotar este hábito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu criei este blog justamente para não me perder de mim, Sylvio... e olha que tem sido um desafio mantê-lo, tantas são as solicitações da vida moderna!
      Que não nos percamos de nós mesmos, meu amigo!

      Excluir
  6. Oi Jussara, antigamente tinha o costume de levar um pequeno livro com o tempo perdi o hábito.Seu texto me reanimou estou indo colocar um livro em cada bolsa e quanto ao caderno de anotações tenho um sem o elástico; mais também não ando com ele.
    Adorei a dica!
    Um ótimo finde e beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei ter inspirado você a colocar um livro em cada bolsa! :)
      Muito bom tê-la aqui! Abraço!

      Excluir
  7. Boa noite, Jussara, também não saio de casa sem um livro e uma agenda em que anoto tudo, não conhecia o moleskine!
    Aprendendo muito com você, sou imensamente grata e vou ficar muito feliz se ganhar o seu livro...
    Tenha um excelente final de semana, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz se consigo inspirar de alguma maneira quem me lê aqui. Grande abraço, Maria Teresa!

      Excluir
  8. Excelente ideia, levar um caderninho para ir anotando o que vem à memória. Não costumava fazer isso mas vou adotar a ideia.
    Bom fim-de-semana
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é mesmo? Ainda mais você, Maria, cheia de ideias tão lindas para colocar em seu blog!

      Excluir
  9. Boa tarde, colega Jussara!
    Também tenho um caderninho para anotar idéias, pensamentos, curiosidades que sejam úteis e mereçam ser registradas. Super bacana essa tua postagem. :)
    Ei, moça!
    Tem postagem nova em "GAM Dolls (2)". Que tal passar por lá pra conferir, hein?
    Ficarei feliz com tua simpática visita e teu comentário, sempre tão importante para mim.
    Tenha um lindo fim de semana.
    Abraço pra você! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda mais você, Gam, que tem grande senso poético! Tinha mais que ter, mesmo, um caderninho! :)

      Excluir
  10. Oi Jussara,
    Gostei em saber as origens do Moleskine e suas históricas ligações literárias e artísticas. Já usei muitas cadernetas pros mesmos fins que vc. Hoje, em dia, me apartei da prática, mas estou motivada a retomá-la depois deste teu interessante post.

    Bela semana aí.
    Bjo,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Calu, fico sempre feliz se inspiro alguém!
      Grande abraço!

      Excluir
  11. Não saio nunca sem meus cadernos de anotaçções. Tem no carro e na bolsa. A inspiração sempre bate e se eu não anotar na hora, a oportunidade é perdida.
    Tenho também na cabeceira da minha cama, pois nas noites de insonia, ou num sonho minhas inspirações precisam ser registradas. Um beijo Ju, boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos duas, Fabiana. Na cabeceira da cama é imprescindível. Sempre me lembro de algo importante para anotar bem no meio da noite, rs
      Abraço!

      Excluir
  12. Oi Jussara,
    Eu tenho um moleskine do lado do notebook, pois sempre que algo me interessa, faço uma anotação. Na rua, troquei o moleskine por um tablet, pois nele, além de um bloco de anotações, teno também os livros que estou lendo.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tentei substituir o moleskine por um tablet e até o usei por um tempo, mas acabei voltando para o moleskine. Eu funciono melhor com papel e caneta, não tem jeito.
      Abraço!

      Excluir
  13. Também acredito que o facto de escrever com tinta, ver as palavras com a nossa letra pessoal, dão outra dimensão à escrita.
    Também tenho alguns caderninhos, alguns não tão charmosos como esses moleskines, e encontro muitas misturadas deliciosas lá no meio. Listas de compras incluídas.
    Abraço, uma linda semana
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei saber dessas suas "misturadas deliciosas", Ruthia ;)
      Muito bom encontrar gente como a gente!

      Excluir
  14. Oi Jussara, que saudade de passear um pouco
    por aqui. Eu também adoro escrever, vivo rabiscando
    alguma coisa. Agendinhas por aqui é o que não faltam.
    Abraço carinhoso.
    Boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Cris! Livros também não, né? Sei que você adora ler!
      Abraço!

      Excluir
  15. Pois é Jussara, quando vem uma inspiração o bom mesmo é ter onde escrever os esboços. Já me aconteceu isto de não ter onde escrever a ideia que brilhou. Depois comecei a usar o ícone Notas do celular que dá para escrever os pontos de inspiração.
    Este caderninho é uma boa ideia.
    Meu terno abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também utilizo, de vez em quando, se não há outro recurso, um bloco de notas que tenho no tablet, mas realmente funciono melhor com papel e lápis.
      Abraço, Toninho!

      Excluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!