Tattoo - poema de Jussara Neves Rezende

sábado, junho 25, 2016 Jussara Neves Rezende 22 Comments




Beijo&Carinho,

Jussara

22 comentários:

  1. Boa tarde Jussara :)
    Gostei da doçura, romantismo e
    leveza dessas palavras...
    Bom fim de semana :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Clau, se consegui realmente essa leveza... fico tão feliz!
      Abraço!

      Excluir
  2. Uau! Jussara, que beleza!
    Quanta sensualidade e delicadeza...
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Jussara de poesia não entendo.

    Como vai seu pai?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda hei de convertê-la à poesia, Liliane, rs
      Perdi meu pai há um ano e a cada dia a saudade dói mais um pouco.
      Abraço!

      Excluir
  4. Há um tempo, com cenário adequado, para tatuagens no corpo e na alma. Um tempo precioso, é bom de ver, com marcas intemporais...
    Muito bem, Jussara.

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, AC, por me lembrar que de fato - apesar da memória das mãos - a tatuagem se fez também na alma.
      Abraço!

      Excluir
  5. Oi, Jussara!

    Que lindo! Você tem muito jeito com as palavras...

    Abraços, Cris

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Cristina. As palavras são meu mundo!
      Abraço!

      Excluir
  6. Como sempre, Ju!
    Lindo poema, como a amiga acima disse, sensualidade e delicadeza num mesmo poema. Isso é o que deixa a nossa alma leve! Isso é o que é bom de ler! Amo vir aqui e ler seus escritos! Boa sorte! Boa produção!
    Abraços,
    Drica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Drica! Fico feliz que seja assim.
      Abraço!

      Excluir
  7. Belamente, poeticamente lembrado, a memória esta nas mãos, além da cegueira, mas gravamos, lembramos, pensamos, agimos, mas pelas mãos que passam, poemas lindos como este que acabo de ler. Sempre uma bela surpresa te vistar querida Jussara.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E devo lhe confessar, Jair, que só consigo escrever com papel e caneta - ou lápis. Depois é que vem o processo de digitar. Acho que é algo orgânico: uma relação íntima entre a mão que desliza pelo papel e o sentimento.
      Obrigada pelo carinho :)

      Excluir
  8. São belas as memórias que embalamos nesta leveza.
    Um poema para embalar com mãos suaves e canto de pássaros.

    Um bom lindo fim de semana amiga.
    Meu carinhoso abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se transmiti leveza... fico feliz!
      Obrigada pelo carinho!

      Excluir
  9. Memorias que ficam gravadas no corpo e na alma.
    Lindo poema
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  10. São impressões que nunca se apagam,
    são sensações que nos embalam!
    Muita sensibilidade em tua poesia,
    gratidão pela partilha, abraços
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Maria Teresa. Tais impressões se fixam como tatuagens.
      Obrigada pela leitura e pelo carinho.
      Abraço!

      Excluir
  11. Palavras doces e suaves, que encantam e embalam
    Adoro!

    Muita Luz e Paz
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Adelaide. Fico feliz que tenha gostado :)
      Abraço!

      Excluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!