Poeminha Dó ré mi fácil...

quinta-feira, dezembro 17, 2015 Jussara Neves Rezende 20 Comments




Gosto de brevidade em poesia. Reconheço o valor e a beleza de grandes epopeias, mas penso que se não há uma grande história a ser contada, melhor é dizer o que se pretende com o mínimo de palavras possível.
A poesia lírica flagra um instante: de dor, de alegria, de amor, de expectativa, de esperança... Para dizer desse instante poucas palavras são necessárias, apenas as essenciais. Encontrá-las é tarefa do poeta, do bom poeta.
Todas as palavras não essenciais pesam no poema, parecem querer dizer que melhor ficariam noutra parte, num conto talvez, num romance, num artigo de jornal...
O bom poema é leve, breve. Penso assim. Encontrar, portanto, o poeminha acima, foi para mim um deslumbramento.
Note que ele é praticamente uma brincadeira feita com as notas musicais, uma apropriação de seu ritmo e de sua sonoridade. São marcas dessa sonoridade as sílabas tônicas e as rimas entre  e  ”, “mi e “si” e, agora, também entre “cil”. Apresenta, no entanto (e além disso), a bela imagem dos olhos da pessoa amada como paisagem: acolhedora paisagem de sol poente que convida para o aconchego, para ali “morar”. 
Embora a palavra olhar não seja utilizada (mas apenas “olhos”), não é difícil inferir que é através de um olhar demorado, que descansa no olhar do outro, que o “morar” acontece. Desse modo, o poeminha economiza até a possível rima (rica) entre olhar (neste caso, substantivo) e morar (verbo). Usa, portanto, apenas as palavras estritamente necessárias e faz bonito: de forma lúdica transforma o instante em melodia e lirismo, em poesia.

Beijo&Carinho,

Jussara


20 comentários:

  1. Respostas
    1. Que bom! Eu também gostei muito e fiquei feliz em partilhar. Muito bom tê-la aqui :)

      Excluir
  2. Que poema lindo!!!! Breve, belo... Amei!
    Bjs, Jussara. Tenha um ótimo dia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é mesmo? Também gostei muito.
      Obrigada, Isabel, saudade de você!

      Excluir
  3. Jussara,

    O Natal se aproxima...

    As luzes cada vez mais brilham nas ruas...

    Que no Natal a maior luz brilhe dentro de cada coração. Essa é a que vale realmente!

    Mesmo ausente e ainda assim ficarei por algum tempo,vim apenas deixar meus votos de um Natal maravilhoso e 2016 recheado com tudo que cada um desejar! Por motivos óbvios, trago mensagem colada, mas vale a intenção e desejos!

    beijos, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Chica! Que seja assim para nós!
      Abração!

      Excluir
  4. Oi, Ju,

    O poema é uma graça, realmente. Lúdico, musical e romântico. Ele é curtinho, mas me trouxe à mente bilhetinhos de amores adolescentes, entre outras coisas, rsrs.

    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Marly! Também me vieram à mente bilhetinhos de amor e aqueles versinhos que escrevíamos nos cadernos das amigas no tempo do colégio, lembra?

      Excluir
  5. Respostas
    1. Não é mesmo, Cris? E a vida tão precisada justamente disso!
      Abraço!

      Excluir
  6. Belíssima partilha musical da poesia.
    Também me encanto com o poder de síntese em poesia de alguns bons poetas.
    Jussara em tempo de fim de ano lhe desejo Um Feliz Natal de paz e alegrias e renovadas esperanças.
    Carinhoso abraço amiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou, Toninho! Muito bom conhecer a opinião de outros poetas!
      Obrigada pelos bons votos. Que 2016 seja um ano de muitas bênçãos, saúde e realizações para você!

      Excluir
  7. Há tantas " brevidades" intensas a nos instigar o olhar; detalhes latentes que fazem pensar(rs)...

    Um Natal de luminosas horas cheias de carinhos e sorrisos, Jussara.

    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seus textos são grandes provas disso, Calu!
      Obrigada pelo carinho. Horas luminosas e cheias de alegria para você em 2016!

      Excluir
  8. Gostei muito do "poeminha", Jossara, e partilho da sua opinião: o que se quer transmitir não tem que ser uma odisseia, a não ser que queiramos condicionar o leitor. Um bom poema, no meu entender, tem que dar liberdade ao leitor para interpretar, manusear, manipular conforme a sua visão das coisas. Sempre com um desafio, é óbvio.

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seus textos são a maior prova disso, AC! Obrigada pelo comentário, enriquecedor!
      Abraço!

      Excluir
  9. Gostei do "poeminho"!
    Invejável a capacidade de dizer muito com poucas palavras. Ainda chego nesse ponto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho, Sylvio!
      Ao longo dos anos tenho enxugado meus versos... quem sabe um dia também chego lá?!

      Excluir
  10. Jussara hoje venho especialmente para desejar um Feliz Natal e um Novo Ano recheado de alegrias, saúde, amor, paz e harmonia tudo embrulhadito em felicidade sem fim.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Maria! Que 2016 venha repleto disso tudo pra você! Abraço!

      Excluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!