O que significa “nemezzz”?

terça-feira, maio 05, 2015 Jussara Neves Rezende 15 Comments





O que significa “nemezzz”? Esta a dúvida que fez o garoto aportar entre as minas reunidas cá neste blog. Não foi o primeiro. Vez por outra recebo por e-mail mensagens que trazem perguntas sobre o que significa em Minas Gerais isto ou aquilo.


Se todas as regiões, em qualquer canto do mundo, possuem seus falares característicos, o que surpreende as pessoas em relação ao linguajar mineiro talvez seja a quantidade de palavras que, adaptadas ao dia a dia do falante, distanciam-se da língua oficial do país a ponto de ganharem estatuto de vocabulário.


Creio que ninguém mais desconhece que aqui em Minas “trem” é uma palavra que designa uma infinidade de objetos, qualquer um a que o falante queira se referir, não necessariamente ligados ao transporte sobre trilhos. Na estação, à espera do comboio, ao escutar-lhe o apito, o marido diz para a esposa: “Muié, pega ‘os trem’ que ‘a coisa’ vem vindo”.


Nota-se aqui que a palavra “trem” é utilizada para indicar a bagagem levada pelos viajantes, ao passo que o comboio em si é indicado como “coisa”. O vocábulo “mulher”, entretanto, mantém o mesmo sentido, embora foneticamente tenha sido modificado: “Muié”.


Parece ser esse o caso de grande parte do “vocabulário” utilizado nas Minas Gerais: uma palavra se funde à outra, ou se emprega numa forma abreviada que, falada com rapidez, soa como uma palavra esquisita ou desconhecida.
Assim, a palavra “nemezzz”, aqui em questão, seria a abreviação de toda uma frase interrogativa: “Não é mesmo?”. Os termos “não” e é” fundidos em “né” (que eu uso tanto que até nem percebo mais) e “mesmo” transformado por uma apócope (supressão de um ou mais fonemas no final da palavra) em “mez”. O uso de mezzz (com z triplicado) é apenas uma forma de grafar o som assoviado e arrastado da palavra utilizada pelo falante (aqui no sul de Minas não é comum) que engole palavras, mestre em metaplasmos (alterações da Língua em virtude de seu uso efetivo/criativo) ao suprimir especialmente o finalzinho delas, gerando palavras tão “bonitim” (bonitinhas) que só vendo!



Já me disseram que isso é linguagem “errada”: “Sou mineiro e não falo assim”. Tudo bem, eu também não falo, mas é inegável que grande parte de Minas é rural e que muito mineiro, nascido e criado longe dos livros, assim se expressa no seu dia a dia.
Ao ler Grande sertão: veredas, de João Guimarães Rosa, o leitor acredita que o autor era um verdadeiro artista na criação de neologismos (palavras novas ou com novos sentidos). Era mesmo, mas boa parte do palavreado utilizado nessa obra magistral foi colhida pessoalmente pelo autor em viagens a cavalo pelo interior do Estado... embornal (“emborná”, diriam seus entrevistados) e bloquinho de notas à mão.


As imagens utilizadas neste post são obras do artista plástico José Rosário, mineiro que pinta paisagens e situações do dia a dia em Minas. É ele quem diz: 


Para ver outras obras de José Rosário, clique aqui.


De Vocabulário e Dialeto mineiros falei aqui e aqui.

Para conhecer um extenso, mas sempre em construção, Dicionário de Minerês, visite o “Blog do Martins”, que tem um texto delicioso!


Você já está concorrendo a esta linda boneca Pepa?
É só até o dia 9! 

Beijo&Carinho,
Jussara


15 comentários:

  1. Gosto de ouvir o jeito de falar dos mineiros. Quando em férias, na Bahia, encontro muitos e esse "nemezzz " aparece sempre! Lindas imagens aqui escolhidas! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Agradeço a participação em sua página, Jussara.
    Legal ir encontrando pelo caminho, pessoas tão sensibilizadas com o jeito mineiro de ser.
    Parabéns e grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Oi Jussara, que pinturas maravilhosas...lembram a obra de Almeida Júnior, que também retratava a vida rural.
    Adorei saber o que é nemezzz, achei engraçado...não imaginava o significado, mas depois de saber fica óbvio, não é?
    Ótima semana!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Essa expressão eu ainda não conhecia, mas foi muito bom aprender.

    ResponderExcluir
  5. Mais uma aula sobre o falar do mineiro do interior, sobre a mineiridade. Legal, né mezzz... É errado e... certo também. Se a função da Língua é a comunicação, e se as pessoas que assim falam conseguem comunicar, cumpre-se a função. Nas grandes cidades, em certos lugares, também há falares que mais parecem dialetos. E como é deliciosa essa diversidade do falar. Acabei de ler um livro de contos da Florbela Espanca; os últimos que escreveu deliciaram-me, não só pelos temas e pela descrição que a autora faz dos personagens e da paisagem alentejana, mas também pelas palavras e jeito de falar dos personagens e da própria Florbela. Imagens e falares da minha infância me vieram à cabeça. Uma delícia! Abraços, Jussara.

    ResponderExcluir
  6. Aprendi mais aqui, eu sou paulista e falo trem (com a mesma conotação dos mineiros), acho que tenho sangue mineiro nas veias rs...

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  7. Jussara, que delícia! Que prazer ler este post! Obrigada!
    Um abraço!
    Egléa

    ResponderExcluir
  8. Amei a aula,Jussara. Gosto 'por demais' do linguajar de Minas. Uma nordestina que gosta imensamente do Mineirês, viu?
    obrigada pela visita ao meu cantinho. Seja sempre bem-vinda. E vou lá participar do sorteio, é claro.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Jussara, amo o seu jeito de escrever e explicar as coisas ao mesmo tempo... uma delícia ler textos assim! Eu acho muito engraçado esse jeitinho mineiro de falar, mesmo muito mineiro negar que se fale assim... Abraço! Ah, eu "tô" participando do sorteio, não estou?! rsrsrs

    ResponderExcluir
  10. Pois némezzz! A-d-o-r-o o linguajar mineiro, infelizmente grande parte está se perdendo. Aqui no Ceará também há um linguajar característico. Moro aqui a 25 anos e levei metade desse tempo para sabe que "vááála", geralmente usada para expressar surpresa ou admiração, significa "Valha-me Deus Nossa Senhora". Bem abreviadin. Bjin

    ResponderExcluir
  11. Jussara pra mim o melhor sotaque.. E também partilho da utilização do "né" em quase todos os finais de frases.. E quando mais se encaminha para o interior, mais carregado o sotaque fica.. Sou extremamente lisonjeado de ter nascido e me criado na simplicidade e pacatez de Minas.. BjoO grande, e as imagens são lindas!!

    Att; Wesley Felício

    ResponderExcluir
  12. Que delícia de texto e quantos quadros lindos!!Orgulho de ser mineira e de morar em Minas!!

    ResponderExcluir
  13. Jussara que delicia de post, adorei ler e ver.
    Há termos muito específicos de região para região, mesmo aqui em Portugal.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  14. Jussara, excelente o seu post. Muito mais que uma aula de semântica/ fonética - se calhar era assim que essas aulas deveriam ser. O apontamento do "trem" é fabuloso.
    Aqui, é claro, existem também regionalismos, mas, dada a dimensão do país, são bem menos marcantes. Dizem que se pusermos um açoreano conversando com um alentejano/transmontano, eles não se entenderão.

    Você já leu Mia Couto?
    Aconselho vivamente, no caso, pelos neologismos.

    Adorei o seu Pin. Obrigada querida!

    Tenha um feliz domingo.
    Beijo da Nina

    ResponderExcluir
  15. Dilíça di postage!
    Adoro o mineirês, com seu jeito cantado de falar, meio hipnótico, que vai entorpecendo minha razão e aflorando a emoção. Trem bão!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!