O poeta Pessoa num banheiro em Botafogo

O poeta Pessoa num banheiro em Botafogo
Imagem de Fernando Moura Peixoto
Por esses misteriosos caminhos virtuais, que nos apresentam pessoas interessantes que por outras vias jamais conheceríamos, foi que encontrei o Fernando, ou melhor, que ele me encontrou. Com nome de poeta, Fernando é carioca, fotógrafo, historiador, cronista, produtor e mais um punhado de coisas. O fato é que, como todo bom fotógrafo, Fernando tem olhos perspicazes, curiosos, que percorrem o Rio de Janeiro e, mais especialmente, o bairro de Botafogo, descobrindo poesia em cenas cotidianas e nos grafites que se emaranham nos muros. Já mostrei aqui um vídeo por ele produzido com algumas dessas imagens.
Outro dia ele me surpreendeu com uma crônica ilustrada que, por achar interessante, decidi compartilhar aqui:



Imagem de Fernando Moura Peixoto

Imagem compartilhada por Fernando Moura Peixoto
Posta na rede, a crônica de Fernando Peixoto já começa a receber atenções – até do lado de lá do Atlântico:

Na imagem abaixo, “Fernando Pessoa” e eu no café A brasileira (Chiado, Lisboa) ao qual se referiu o Fernando Fotógrafo:
  

Para conhecer mais do Fernando Moura Peixoto, visite seu canal no Youtube, aqui.
Beijo&Carinho,

Jussara Neves Rezende


17 thoughts on “O poeta Pessoa num banheiro em Botafogo”

  • Que maravilha os olhos de Fernando e sua sensibilidade ao prestar atenção à poesia de Pessoa e logo num banheiro! Adorei ver ec saber ! Linda também a tua foto! Valeu e é sempre bom te ver! bjs, chica

  • Olá Jussara,
    realmente, o mínimo que se pode dizer é:'inusitado'. Mas, não creio que Pessoa, o poeta, se admirasse muito, ele sabia bem dos mais profundos desassossegos e mistérios da alma humana, e agradaria-lhe, decerto, saber chegar ao mais recôndito dos lugares por onde os desassossegados passam 😉
    Interessante mesmo é o olhar atento de seu amigo Fernando,

    «Da minha idéia do mundo
    Caí…
    Vácuo além do profundo,
    Sem ter Eu nem Ali…

    Vácuo sem si-próprio, caos
    De ser pensado como ser…
    Escada absoluta sem degraus…
    Visão que se não pode ver…

    Além-Deus! Além-Deus! Negra calma…
    Clarão do Desconhecido…
    Tudo tem outro sentido, ó alma,
    Mesmo o ter-um-sentido…»

    bj amg

  • Olá Jussara, inusitado post, mas em se tratando de Pessoa, é o mínimo que se espera. Como disseste, um fotógrafo tem olhos de lince e vê coisas que nos passariam despercebidas ,mas a história em si é por demais interessante, e porque não dizer, intrigante. Viva Pessoa, Viva aos Pessoas.
    ps.Carinho respeito e abraço.

  • Adorei o olhar desse Fernando contemporâneo já que (blasfémia, dirão os meus compatriotas) não adoro o outro Pessoa. Ainda que lhe reconheça a genialidade, ainda que ame algumas das suas citações, é um reconhecimento exclusivamente intelectual, que não chega à alma. É daquelas coisas que não se explica. Sente-se.
    Mas amei ver a Jussara, linda e sorridente, no café A Brasileira.
    Beijinhos, doce restinho de semana
    Ruthia d'O Berço do Mundo

  • Ah eu achei bem interessante "encontrar" Pessoa, precisamente onde não se esperaria…! 🙂 E claro que o Fernando fotógrafo, não poderia deixar passar a oportunidade de fotografar. Vi o outro post, com o video, também muito giro.
    E gostei muito ver-te sorridente, em Lisboa, junto do Poeta! Parecias radiante, Jussara.
    Bom fim de semana, Jussara!
    xx

  • Oi Jussara, é a Vi, seu amigo Fernando tem sensibilidade para encontrar preciosidades onde ninguém espera, porque quando eu entro em um banheiro detonado, quero sair de lá o mais rápido possível.
    Amei você na foto, linda.
    Beijos,Vi

  • Delícia de postagem com a homenagem de um Fernando para outro. E você, ficou ótima ao lado do poeta! É sempre bom ouvir você, ainda que, agora, poucas vezes. Irene Jardim

  • Oi, Jussara!
    Mais uma prova de que não devemos preconceituar quem gosta de poesia. Ela não reside no enfado como dizem aqueles que nada entendem dela. A poesia reside em qualquer lugar que um olhar sensível possa enxergar. Ah, gostei: A graça da vida reside no inusitado.
    🙂
    Beijus,

  • Olá Jussara,
    Uma pena o banheiro estar imundo,
    mas que bom que alguém sensível
    e de bom gosto escreveu uma
    poesia de Pessoa nesse lugar.
    E através da perspicácia de Fernando Peixoto,
    tomamos conhecimento deste fato!
    Bjs!

  • Olá Jussara,

    Bom constatar que a poesia pode ser encontrada em qualquer lugar, ainda que num banheiro imundo e infecto. E Fernando Peixoto, com seu olhar perspicaz de fotógrafo e como atento escritor, não perdeu a oportunidade de registrar o fato através de uma crônica.
    Gostei da observação da Lúcia Senna Costa. Perfeita.
    Gostei também de sua foto com "Fernando Pessoa".

    Feliz semana.

    Beijo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *