Poema e poesia

quinta-feira, julho 25, 2013 Jussara Neves Rezende 32 Comments

Para minha amiga Vi, que sugeriu este post

Escolhi dois poemas – um do poeta renascentista português, Luís Vaz de Camões, e outro da modernista carioca, Cecília Meireles – para ilustrarem algumas considerações sobre diferenças e semelhanças entre poema e poesia.
Já tratei deste assunto aqui, mas nunca é demais retomá-lo, já que está sempre a suscitar dúvidas entre aqueles que não são especialistas no assunto. A esse respeito, um primeiro conselho que eu daria ao leitor comum de poesia é para não se preocupar com rótulos e nomenclaturas, mas apenas em fruir a poesia, em senti-la e deixá-la fluir. No fundo, é apenas isso quer importa.
Vejamos os poemas selecionados:



A principal dúvida, com que sempre me confrontei, sobre as características do poema e da poesia estão relacionadas ao fato de alguns textos poéticos apresentarem métrica e rima (como o de Camões) e outros terem versos livres e brancos, ou seja, não serem rimados, nem metrificados (como o de Cecília). Os rimados e metrificados seriam poesia, segundo acreditam aqueles que se deixam enganar por essa confusão que não consigo imaginar onde e como começou, ao passo que os textos com versos livres e brancos seriam poemas. Puro engano! Embora realmente exista uma diferença básica entre poema e poesia ela nada tem a ver com rima ou métrica.
 
POESIA é a emoção, a sensibilidade, a beleza, que todos podem sentir, mas só o poeta sabe captar em forma de versos, de um modo todo especial, cada poeta com o seu. Camões, por exemplo, para caracterizar o amor usou versos com a mesma medida (10 sílabas poéticas), todos rimados, além de belos paradoxos (como o fogo que não se vê ou a ferida que dói sem doer).
Cecília Meireles, por outro lado, sem usar rima nem se preocupar em criar versos com a mesma medida (veja, por exemplo, a diferença de tamanho entre o primeiro e o último versos de seu “Epigrama nº8”), mas criando belíssimas metáforas de instabilidade ao usar símbolos de transitoriedade, como “nuvem” e “onda”, falou da entrega a uma relação amorosa fadada ao insucesso.
Note que nenhum dos poetas falou de algo desconhecido, muito ao contrário: falaram de sentimentos e situações muito humanas. Ao fazerem isso, entretanto, o fizeram de um modo incomum, artístico, poético. Isto é poesia: a sugestão de emoções por meio da linguagem.
POEMA, por outro lado, é a obra em verso que contém poesia. Ele pode receber muitos nomes diferentes, como soneto (que é uma estrutura poética de 14 versos [duas estrofes de 4 versos e duas de 3]), caso do poema de Camões aqui apresentado, epigrama (pequena composição poética, que termina com um pensamento engenhoso), como o poema de Cecília, bem como balada, ode, elegia, canção, etc.
O POEMA é, portanto, um objeto concreto, ao passo que a POESIA tem uma existência imaterial: manifesta-se no espírito do poeta que a aprisiona no poema que constrói e, em seguida, no espírito do leitor que consegue captá-la. Além disso, estará para sempre alojada no poema onde poderá ser encontrada em qualquer tempo ou lugar.
Você pode usar as palavras POEMA e POESIA como sinônimos, pois na verdade toda poesia escrita é um poema. Os poemas é que nem sempre contêm poesia; os maus poetas esquecem aquilo que os grandes poetas sabem muito bem: o bom poema é mais que sua estrutura em forma de versos, pois suscita emoções através de figuras de imagens inovadoras e sensíveis, do ritmo obtido através das rimas ou da métrica ou, na ausência delas, pela repetição de palavras, pelas aliterações e assonâncias (que são sons semelhantes distribuídos nos versos) e pelo que nos faz sonhar.

Espero ter ajudado!

 Abraço,

Jussara Neves Rezende
#Recado: Estou meio sumida por estar sobrecarregada de trabalho, mas tão logo seja possível apareço para um dedo de prosa, sim?

32 comentários:

  1. Magnífica explicação. Nunca tinha parado para pensar nisso.
    Um abraço desde Portugal, onde ainda há quem leia Camões E Cecília Meireles.
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
  2. Oi Ju... saudades de vir aqui...
    Amei este post porque eu também sempre tive dúvidas entre poema e poesia.
    Para mim veio bem a calhar porque meu filhote, Lorenzo, está na fase de escrever seus poemas...

    Beijo grande!
    Pri
    www.arted-casa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muy buena explicación Ju ,, ya que uno siempre tiene la duda entre poesía y poema
      Cariños

      Excluir
  3. Jussara,

    Bela explanação!

    Abraço,

    Roberto

    ResponderExcluir
  4. Ju,
    Amei a explicação. Não sabia a diferença e ficava mesmo intrigada se falava certo sobre poema/poesia. Aprender sempre é muito bom. E ainda mais sobre um assunto tão lindo!
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  5. Oi Jussara,
    Não sabia da diferença. Achava que as palavras eram sinônimas.
    Aproveite o final de semana!
    Bjs

    GOSTO DISTO!

    ResponderExcluir
  6. Ótima explicação,gostosa de ler.Obrigada!

    ResponderExcluir
  7. Oi Jussara,
    Aula mesmo.
    Essa é uma dúvida que existe mesmo,lembro quando li no O Tacho da Pepa.
    Muito bom o seu post.
    Obrigada, comemorei bastante!
    Mas foi sem chá :)
    bjs

    ResponderExcluir
  8. KKKKK Jussara vou ficar com o primeiro post sobre o assunto rsrsrs eu me confundo, confesso que li duas vezes, mas vou imprimir e estudar de novo fiquei na dúvida, sempre achei que tinha haver as diferenças com rima e olha a coincidência vindo sábado da feira com minhas filhas, falei da mais velha sobre o seu post anterior! perguntei a ela se ela sabia a diferença!!

    bjs

    Gélia

    ResponderExcluir
  9. Oi Jussara, é a Vi, ótima explicação, mas essa relação poema e poesia, sempre vai dar confusão..( e rimou). kkkkkk
    Você estas sempre em minhas orações, querida..
    "A minha carne e o meu coração desfalecem; mas Deus é a fortaleza do meu coração, e a minha porção para sempre.Salmos 73:26"
    Muitos beijos,Vi

    ResponderExcluir
  10. Uma aula maravilhosa mente bem dada,Jussara! Adorei! Muito útil! um beijo, chegando na geladeira da cidade,brrrrrrrrrrrr... chica

    ResponderExcluir
  11. Poema ou poesia, alimenta a alma, certamente...O de Camões, me lembrou época do colégio, quem não leu? Cecília Meireles tem uma leveza que encanta...Adorei!
    Beijinhos, Ana

    ResponderExcluir
  12. Jussara... eu li, reli... e reli.... e pronto! Continuo admirando as pessoas com dom de poetar. E de poetizar também..... Afff.... muito complicado, amiga! hehehehehehe

    A poesia de Camões, eu decorei, na época de escola. E me lembro até hoje.A professora era uma amante da poesia e nos fazia decorar muitas delas. Nós a odiávamos, mas hoje sei que ela fez uma diferença enorme na minha vida escolar. Que bom!

    Um lindo domingo pra vc!
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Esse poema do Luiz Vaz de Camões é um clássico, acho lindo demais!
    Cecília Meireles é um encanto como sempre. bjosss

    ResponderExcluir
  14. oi JU

    Vim agradecer teu recado na minha última postagem!!
    estou numa fase complicada, mas espero que neste mês consiga reencontrar meu
    caminho, já não sei quem mais é a ana fora do blog... por isso teu recado foi tão importante, obrigada pelo carinho <3
    Ajudou mito sua explicação, sempre fazemos essa confusão entre poema e poesia.

    bju grande e ótimos trabalho pra vc também!

    ResponderExcluir
  15. Você aprende a gostar de você,
    a cuidar de você e, principalmente,
    a gostar de quem também gosta de você.
    A vida me ensinou ,
    que amar vale em qualquer circunstancia,
    em todos minutos da nossa existência.
    Quando a tristeza invadir sua alma
    haverá sempre alguém ,
    que um Dia você plantou sementes de bondade
    essas irão a seu socorro dizendo:
    Hoje venho trazer rosas , que você plantou
    com carinho .
    Agora sou eu , que acarinho sua alma chorosa.
    Deus abençoe sua semana.
    Espero você com muito carinho no meu blog.
    Beijos no coração carinhos na sua alma.
    Evanir.

    ResponderExcluir
  16. Depois desta 2ª aula, não há como não entender as diferenças entre poesia e poema: o poema, com rimas ou sem rimas, metrificado ou não,é como um baú; a poesia é o que está dentro do baú. E por falar em poesia, li o seu livro três vezes e creio que o lerei mais. Você vai lá no fundo de si lavrar as suas minas e se mostra nelas com muita sensibilidade e paixão e, sobretudo,humanidade. Nada mais humano que as dúvidas, os dilemas , as contradições. Nada mais barroco. Você é barroca na alma (acho que todos somos um pouco),mas a forma (o baú) é límpida e clara, é simples e acessível. Não gosto de hermetismos.
    Os seus versos, apesar de pouquíssimas rimas ou nenhuma - o que não faz a menor diferença - são plenos de sentimento, de emoção, e pareceu-me que deles emana algo como uma sonoridade musical, sei lá... Deve ser a tal de poesia.
    Jussara, já estou a falar de coisas que não entendo bem, mas espero que nos brinde com mais de suas minas. Abraços.

    ResponderExcluir
  17. Ah, queria pedir-lhe que me permitisse publicar um ou dois de seus poemas no meu blog e no face. Posso?

    ResponderExcluir
  18. Jussara
    Sempre faço confusão entre poesia e poema. A sua indicação da primeira aula com esta foi enriquecedora. Me detive até nos seus comentários definidas com muita mestria que só uma professora de literatura sabe ministrar:
    Poesia-corpo, faro farol. Poema -alma- objeto concreto. O poema, com rima, métrica, ou na ausência desta, as aliterações e assonâncias é mais que a estrutura em versos, suscita emoções que nos faz sonhar.
    João A. Ventura está falando no comentário acima sobre o seu livro? . Fiquei curiosa.
    bjs.

    ResponderExcluir
  19. A informação é completa e acrescenta. Mas você tem razão quando diz que o importante é deixar a poesia livre, senti-la e deixar-se envolver com a emoção e a sensibilidade do poeta.

    ResponderExcluir
  20. oi Ju, passando correndo pra deixar um beijo

    e agradecer semre as tuas visitas, adoroooo

    beijo
    Grasi

    ResponderExcluir
  21. Jussara
    eu confundo sempre, misturo tudo. Mas acho que é pra misturar, não é mesmo?
    Obrigada pela aula, volto aqui no texto mais vezes
    para um aprimoramento
    e para conhecê-la mais
    beijos Zizi

    ResponderExcluir
  22. Oi Jussara, querida

    Adorei a sua visitinha, sempre tão amável.

    Quanto ao seu post, eu faço muita confusão, mais um dia eu aprendo.

    Não fique deprimida, não. Isso não é bom. Só faça as coisas de acordo com o seu

    tempo. Tente relaxar, não vale a pena.

    beijo carinhoso

    Regina Célia

    ResponderExcluir
  23. Minha amiga super querida, que saudades daqui, de suas postagens, de aprender e expandir meu conhecimento, como sempre faço aqui... saudade de tudo!
    Estou retornando as atividades no blog.
    Estou em um momento lindo na minha vida, cuidando dos meus três filhos em tempo integral, minha vida está sendo dedicada a eles. Posso até dizer que estou VIVENDO de amor.
    Meus pequenos já estão com um mês, a rotina já está um pouco estabelecida, pelo menos sei os horários de dormidas mais longas, risos! Resolvi voltar porque também quero registrar minha nova etapa aqui.
    Hoje passo rapidinho para agradecer toda sua atenção, suas palavras de carinho, tenho certeza que me abençoaram a ter um parto iluminado.

    Beijo grande.
    Voltarei com mais calma...

    ResponderExcluir
  24. Bom dia Jussara, passei para desejar um dia colorido e agradecer a encantadora visita lá n'O Berço do Mundo.
    Beijinho
    Ruthia

    ResponderExcluir
  25. oi adorei como sempre amo poemas, bjs linda!

    ResponderExcluir
  26. Dois poeta de poesia de incomparável beleza e sensibilidade. Gosto muito das poesia de Cecilia, mas sinto um pouquinho de amargura em seus versos, parece que ela não gosta da imagem dela projetada no espelho.
    Bjos e tenha uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  27. Oi Jussara,
    Não tinha ideia da diferença entre poema e poesia, mas sem querer usava as palavras da maneira correta.
    adoro os dois poemas que vc selecionou.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como chamei à atenção logo no início do texto, não é necessário se preocupar com isso, mas que a diferença existe, existe, rs
      Os dois poemas são mesmo fabulosos!

      Excluir
  28. Oi Jussara que bom encontrar este post super esclarecedor. Eu sempre gostei de escrever desde a infância, porém sem conhecimento algum. Agora com a Internet estou me inteirando de tudo um pouco e com mais acesso as informações me enchi de coragem de jogar tudo nessa telinha mágica e criei dois blogs. Desde 20ll venho colocando neles todas as minhas emoções mas sem nenhuma técnica. \Hoje me encontro com 6l anos de idade mas ainda quero fazer Letras é o meu sonho, então quando encontro orientações assim como as suas, fico realmente feliz. Aprendi muito te lendo e vou continuar.
    Meus blogsp. Expressodointerior.blogspot.com e Suaveenatural.blogspot.com
    Agradeço muito por compartilhar tantos conhecimentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coisa boa receber seu comentário, Lourdinha! Confesso que muitas vezes pensei em desistir de escrever aqui, pois é realmente muito trabalhoso "dar uma aula" por escrito, coisa que frequentemente faço aqui, MAS é por pensar que posso fazer alguma diferença cá neste mundo que insisto e continuo. Por isso seu comentário muito me alegrou.
      Eu lecionei por 25 anos em cursos de Letras: Literatura Portuguesa e Literatura Brasileira. Amava, pois amo literatura!
      Espero que você realmente faça seu curso, que independe da idade, e continue escrevendo. Vou lá conhecer seus blogs, sim?
      Abraço!

      Excluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!