A “Leveza” para Cecília Meireles

segunda-feira, abril 15, 2013 Jussara Neves Rezende 25 Comments






                                                        LEVEZA
                                                        Leve é o pássaro:
                                                        e sua sombra voante,
                                                        mais leve.
                                                        E a cascata aérea
                                                        de sua garganta,
                                                        mais leve.
                                                        E o que lembra, ouvindo-se
                                                        deslizar seu canto,
                                                        mais leve.
                                                        E o desejo rápido
                                                        desse antigo instante,
                                                        mais leve.
                                                        E a fuga invisível
                                                        do amargo passante,
                                                        mais leve.


                                                                                (MEIRELES, Cecília. In: Obra Poética. 
                                                                       Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.)









Que as imagens de pássaros que utilizei para ilustrar esta reflexão não iludam: nem só de pássaros fala o poema de Cecília. A partir, entretanto, da representação do pássaro flagrado em pleno voo – e de sua leveza – a escritora conduz seu leitor à observação de outras imagens do imponderável, colocando-o diante de reflexões sobre o mistério da vida e da passagem do tempo, temas centrais de seu imaginário e de sua poética.

                                                   
                                                       
                                                        Leve é o pássaro:
                                                        e sua sombra voante,
                                                        mais leve.

Mais leve que o pássaro (já leve) é a sua “sombra voante”: o rápido borrão com as cores de suas asas deixado no trecho do céu ocupado pelo voo.





                                                        E a cascata aérea
                                                        de sua garganta,
                                                        mais leve.

  

Mais leve que a “sombra voante” do pássaro – levíssima – é seu canto metaforizado como “cascata” numa clara alusão aos rumores de cascatas e gorjeios, embora o rumor da cascata se relacione à água e à proximidade com a terra, ao passo que o canto é, por excelência, aéreo, ainda mais quando liberto nas alturas do voo.





                                                     
                                                      E o que lembra, ouvindo-se
                                                      deslizar seu canto,
                                                      mais leve.

Nesse ponto do poema já está o leitor impressionado (está?) com a espécie de leveza de que trata a poetisa. Trata-se, realmente, do peso do que não se pode pesar – do imponderável – como acima distingui. Entretanto, mais leve que o pássaro, que sua sombra ou seu canto é o que esse canto, ouvido, faz lembrar ao eu-lírico (a voz que canta no poema) e ao leitor dos versos.
 
 




Quem já não ouviu um pássaro? Quem já se lembrou de algo que julgava esquecido ao ouvir tal canto?  É justamente essa memória perdida (“o que lembra”) que Cecília diz ser mais leve do que tudo a que até então se referiu.
                                                       
                                                       E o desejo rápido
                                                       desse antigo instante,
                                                       mais leve.


Quanto pesa o desejo? E o desejo que vem e se esvai – rápido – quanto pesa? E aquele, de um instante perdido, há como pesar? São leves, segundo Cecília, mais que o pássaro, sua sombra e seu canto, mais que aquilo de que se lembra ao ouvir o pássaro. Levíssimo é o desejo do instante recuperado no momento do canto.
  

                                  

                                                                 E a fuga invisível
                                                        do amargo passante,
                                                        mais leve.


Mais leve que tudo, entretanto, segundo a poetisa, é a “fuga invisível do amargo passante” que, seguindo à interpretação que venho dando aos versos, pode ser entendido como o “desejo rápido” ou como o próprio pássaro –    “amargo” por suscitar esquecidas lembranças. 





                                 

O refrão – “mais leve” – ao invés de deixar pesado o texto (pela repetição), por enfatizar justamente a leveza faz com que a cada leitura se amplie a percepção do leitor a respeito do imponderável da existência. Nesse sentido, colabora o jogo entre as vogais /é/ e /e/, tônica e átona, forte e fraca – quase um /i/ a segunda delas – a deixar também mais leve a declamação do poema. 


As imagens utilizadas neste post me foram enviadas por uma amiga, via e-mail, sem identificação de autoria, reunidas numa coletânea intitulada “Deus usou qual tinta?”


Comente, comente, comente... vou amar!
Beijo&Carinho,
Jussara
Nota: Assumi um grande trabalho de revisão com um curto prazo para entrega. Sendo assim, estou um tanto sem tempo para visitar os blogs amigos, comentar... o que voltarei a fazer tão breve quanto possível, sim?





 

25 comentários:

  1. Maravilhosa poesia, Cecília e imagens!Adorei o post! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Jussara,

    Muito lindo, tanto as imagens quanto o poema!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Que lindo poema e que sensível análise Jussara!!! todas as vezes que passo por aqui sinto falta de ler um pouco mais... poemas então, nem sei quando pude apreciar como deveria... mas ainda bem que temos você para nos presentear com as mais belas palavras em nossas visitas!!!
    Grande abraço!!!
    www.arquitrecos.com

    ResponderExcluir
  4. (suspiro) Que bom recarregar as baterias culturais! Que bom ver imagens tão lindas!
    Um abraço!

    Egléa

    ResponderExcluir
  5. Cecília e os pássaros dois amores e muita inspiração!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Ouii Jussara, sempre bom ler Cecilia Meirelles , melhor ainda com a leveza tão bem traduzida por vc! Adorei! bjooooss

    ResponderExcluir
  7. Oi Jussara!
    Gostei de ler o poema com a sua explicação/interpretação.
    Aumenta a sensibilidade das palavras.
    As imagens que escolheu são lindas também.

    bjs,ótima semana!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Ju,

    Belo poema e belas imagens (Deus usou muitas tintas nestas aves, que colorido maravilhoso!). Veja só que é ler com pressa, inicialmente eu havia entendido o "amargo passante" como alguém que passava, enquanto a poetisa observava os pássaros, rsrs. Ela, naturalmente, tinha de conhecer este alguém, para saber que ele era amargo, rsrs.
    Ah, aqui chamamos 'feijão verde' àquele que se debulha no momento da venda, ele não é comum aí na sua região? No norte de Minas é, pois tenho lembrança de minha avó debulhando feijão por lá, rsrs.

    Beijo e boa tarde, querida!

    ResponderExcluir
  9. Olá Jussara
    Lindo poema, misterioso, sensível, reflexivo... A análise e interpretação que fizeste, deram sentido a leitura do mesmo, tornando clara e harmônica sua compreensão.
    As imagens, muito bem selecionadas, são encantadoras, dão beleza e leveza ao post, além de mostrarem a maravilhosa obra de Deus Criador. Amei! :)

    Beijos...desejo-te uma abençoada quarta-feira!

    ResponderExcluir
  10. Lindo poema.. lindas imagens! Obrigada Querida..
    Bju grande
    Joanna

    ResponderExcluir
  11. Jussara... menina.... como é bom gente que sabe escrever.
    Jamais teria essa sensibilidade de ler um simples poema e saber o que está escrito nas entrelinhas.
    Com certeza, depois desse post, sei que não sei ler poema...

    Obrigada, querida...
    E trabalhe, trabalhe... e depois volte!

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Parabéns pela interpretação, Jussara!!
    Confesso que depois voltei e reli com um outro olhar.
    Obrigada pelo presente!
    Bjns
    :)

    ResponderExcluir
  13. oi Ju, tudo bem ? desculpa o sumiço...tempo ta super curto... hoje revendo um post meu vi vc la nos meus comentários e vim correndo te dar um oi.

    amei o post, belissimas fotos de passarinhos adoro....vou levar umas comigo rsss

    beijooo
    Grasi
    http://www.facebook.com/AdoroLilasBlog

    ResponderExcluir
  14. Belíssimas imagens e linda a sua interpretação, amiga! Estou compartilhando no Face e Google. Beijo, Eunice Maria.
    http://efacilserfelizartesanais.blogspot.com.br/
    efacilserfelilz.artesanais@gmail.com
    https://www.facebook.com/pages/%C3%89f%C3%A1cilserfeliz-Artesanais/120002958100957
    https://www.facebook.com/eunice.maria.54?ref=tn_tnmn

    ResponderExcluir
  15. Ju que lindo poema de Cecília. Nunca tinha visto comentado e você transmitiu toda a leveza que ela mostrou nessas linhas. Lindo por demais.

    Beijo enorme e carinhoso!
    Lorena Viana

    ResponderExcluir
  16. It is truly a great and useful piece of information.
    I am satisfied that you shared this helpful information with us.
    Please stay us up to date like this. Thank you for sharing.


    Feel free to surf to my web site: niche targeted guest posts

    ResponderExcluir
  17. Parabéns pela bela interpretação deste lindo poema da Cecilia. É impressionante como um verso aparentemente tão simples pode ganhar tamanha magnitude quando pensamos sobre cada palavra contida nele.
    Leve, desejo e fuga;
    Leve, rápido (quase) invisível. Aqui para mim é o tempo que passa e a gente nem sente.
    Parabéns, aprendo muito por aqui.
    bj geande yvone

    ResponderExcluir
  18. Um post simplesmente fabuloso, adorei.
    Bom domingo
    beijinhos
    maria

    ResponderExcluir
  19. Oi Jussara,
    Tudo bem por aí? Espero que sim!
    Uma ótima semana!
    bjs

    ResponderExcluir
  20. Jussara, que incrível você destrinchar o poema.
    Espero encontrar outros aqui assim.

    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Oi Jussara é uma aula de literatura, fui obrigada a reler o poema... que ficou mais lindo com sua explicação.

    bjs

    Gélia

    ResponderExcluir
  22. Oi Ju

    Linda poesia , e você a interpretou de forma que todos pudessem capitar a mesma.
    As imagens dos pássaros tão lindas.
    Quero te dar uma notícia depois de minha irmã , pois ninguém ainda esta sabendo , mas meu retorno esta confirmado amiga .
    Dia 14 de maio estarei pisando em terras brasileiras novamente após mais de 8 anos , senod que já estou fora desde 1999 ( quando fui aos EUA ).
    Estou anciosa , feliz , mas anciosa frio na barriga confiando em Deus para que tudo corra bem .
    Beijinhos
    Deus abençõe

    ResponderExcluir
  23. ai, comento sim

    Lindo, lindo pema e ...mais leve que o pássaro, que sua sombra ou seu canto, esse canto ouvido me trás as mais belas lembranças de infância.

    super beijo.

    ResponderExcluir
  24. Lindo poema mesmo, e as imagem também..

    ResponderExcluir
  25. Lindo poema! Cuidadosa e impressionante análise a sua... A leveza dos pássaros também impressiona minha vontade de ser leve e livre como eles. Quantas tintas poderia até usar, mas jamais conseguiria transpor tanta beleza e tamanha variedade de tons, tampouco a riqueza de seus cantos...

    Amei o post! Abraço!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Volte sempre!