Impressões sobre o romance “Em busca de Mihailo”

Impressões sobre o romance “Em busca de Mihailo”
Eu era muito
jovem a primeira vez em que li Em busca
de Mihailo
. Na capa, sob o título, uma chamada para “uma terna história de
amor, tão sofrida quanto Love Story”. Como eu mesma vivia uma sofrida história
de amor – daqueles imaginários com os quais as adolescentes costuma(va?)m se
torturar – identifiquei-me de tal modo com Carola, personagem-narradora, que confundi
sua dor com a minha: li a obra em prantos e fui incapaz de esquecê-la mesmo com o
passar dos anos. Tantos deles depois e cai-me nas mãos outra vez o livro… por
um instante a retomada incontrolável da emoção da primeira leitura… no outro
o recuperar de detalhes do enredo e a constatação de que é possível lê-lo sem
chorar.

Edição esgotada, mas se você encontrar numa biblioteca, ou sebo, vale a pena ler 😉
De autoria
de Dolores Palá (1928/…), escritora americana, Em busca de Mihailo foi publicado originalmente na Inglaterra, em fins
dos anos sessenta, e chegou ao Brasil em edição da Record e tradução de
Pinheiro de Lemos. Nele Carola conta as circunstâncias de seu retorno a Paris
depois de treze anos de ausência. Ela é, então, a Sra. Davies, casada com um
arquiteto bem sucedido, mãe de quatro filhos, moradora de uma “bela casa de
estilo georgiano” em Chelsea, Londres. Ela ama seus filhos, seu marido e seu
lar, tem amigos e dinheiro bastante para não se preocupar com ele, mas ainda
que seja “ativa e sadia” a vida que leva, “cercada de pessoas ativas e sadias”,
não parece suficiente para fazê-la esquecer outra vida, vivida antes dessa,
interrompida alguns anos antes de conhecer Gavin Davies.
“Deixei-a [a essa outra vida] ou fui deixada por ela?” – Carola se indaga sem
obter resposta.

O retorno a
contragosto a Paris, no entanto, para os funerais de uma tia, colocam-na frente
a frente com a incompletude desse passado. A presença dos bulevares, dos cafés,
dos teatros, trazem de volta, inevitavelmente e com toda a intensidade, a imagem
de Mihailo, o seu sorriso iluminado e puro há treze anos perdido.

 
Via
  
É então que Carola decide fazer dessa viagem a
oportunidade para descobrir o que acontecera a Mihailo, o que provocara o
desaparecimento – que quase a enlouquecera – do homem a quem amara e por quem
fora amada.

Os
percursos de Carola por Paris a fim de encontrar o fio solto há tanto tempo e,
com ele, o paradeiro de Mihailo, mesclam-se, então, às suas lembranças mais
remotas – sua infância nos Estados Unidos, na companhia do pai poeta, sua
mudança para Paris, aos vinte anos, a fim de estudar belas-artes, a convivência
com intelectuais e artistas, seu encontro com Mihailo e o amor vivido com ele.
O
leitor, acompanhando essas lembranças e a angustiada “busca de Mihailo” que a
narradora empreende, sente-se caminhando pelos mesmos bulevares, hóspede
invisível do apartamento que Carola e Mihailo dividiram, expectador das mesmas
paisagens, frequentador dos mesmos cafés. Cabe-lhe, nessas condições, apenas
torcer por Carola quando fecha a porta de seu quarto no Hotel Cayré e sai para
o Bulevar Raspail, “treze anos atrasada para começar a procura de Mihailo”.

 

Comente, comente… comente… vou amar!

Beijo&Carinho,

Jussara
  


21 thoughts on “Impressões sobre o romance “Em busca de Mihailo””

  • Olá Jussara

    Este romance deve ser lindo, deu vontade de ler.
    Vc já leu 50 Shades of Grey? Ganhei de presente e está difícil digerir, mas vou até o final. Se leu, gostaria de saber a sua opinião.
    Uma ótima 4º feira para vc…

    AMIGA da MODA by Kinha

  • Oi Ju,

    Desculpe o atraso, cheguei a ver o título desta postagem antes, mas há dois dias estamos contando com apenas um ponto da conexão da internet aqui em casa, porque o aparelhinho que faz a conexão queimou parcialmente, rsrs.
    Fiquei com vontade de ler este livro, pois estórias que contam sobre as tentativas das pessoas de unirem as pontas soltas da vida são as minhas preferidas e esta é ainda uma estória de amor, rsrs. Também fiquei curiosíssima quanto ao paradeiro de Mihailo, cujo nome parece os dos havaianos, rsrs.

    Beijo e feliz 2013, que este ano te traga muitas surpresas maravilhosas!

  • Toca ir pro sebo caçar esse livro apaixonante, srrs

    Adorei o pouco que li …

    Que 2013 seja um ano maravilhoso para todas nós, cheio de bençãos e paz…
    Obrigada por estar conosco em 2012 e quem sabe um encontrinho quando vieres prás bandas de cá ??

    Bjus 1000 querida e tudo de mais lindo prá ti !!!

    *Coloquei a boneca da Anajá no correio hoje, desculpe a demora mas acabei ficando sobrecarregada esses últimos dias !

  • Olá Jussara, tudo bem?
    fiquei encantada com o modo que você descreveu a história, apesar de não ter costumes de ler como te falei, mas quando você descreve com suas palavras simples e fáceis de compreender, ai eu para e lei, pois sua narração sempre é perfeita que mesmo não tendo costume de ler, você consegue prender minha atenção, para que eu leia até o final, linda a história e obrigada por facilitar meu entendimento que é tão pequeno.

    Desejo a você um 3013 perfeito em todos os sentidos.

    Ah, e obrigada mais uma vez por ser tão gentil, sempre alegrando meu blog com palavras tão sensíveis, mas sempre muito verdadeiras…!!!!

    BJS!!!!

  • Querida Jussara,

    A resenha crítica é um gênero de duas vias: ou contrói ou destrói. A sua contruiu expectativas de leituras, haja vista os comentários de suas amigas. Valeu!

    Um majestoso 2013!

    […]'s

    Roberto

    • O Roberto quis dizer que a resenha crítica é uma gênero de uma única via: ou ela constrói ou ela destrói. A da Jussara construiu expectativas de leituras, haja vista os comentários de suas inúmeras amigas. Sendo assim, valeu!

      À Jussara só cabe um destino: um majestoso 2013!

  • Oi Jussara quer dizer que vc tomou as dores do livro rsrs, adolescente sempre aos dramas não é mesmo, esta é a parte boa de se tornar adulta e não sofrer (morrer) de amor rsrs.

    Viu minha lista de metas ta grande né, mas comecei a fazer de verdade, ontem mesmo comecei a ler um livro (ainda que pequeno) do Augusto Cury (auto ajuda bla bla) mas logo engatarei uma literatura mais apurada digamos assim rsrs.

    Flor eu te mandei um e-mail, não sei o que houve a pulseira custa R$ 15,00 + o valor do frete, depois me passa seu CEP para calcular tah? bjs e um ótimo 2013

    Gélia

  • Oi Jussara, é a Vi, percebo com clareza que tu começaste o ano querendo fazer suspense..contou uma parte da trama e o resto? quer saber procurem o livro em um sebo..kkkkkk, crueldade!
    Acho que a maioria das adolescentes tem uma paixão mal resolvida, fica pensando como poderia ter sido,que seria mais feliz, é o passado atormentando o presente, querendo roubar nossa alegria.
    Que 2013 seja um ano de vitorias..,ou melhor, que Deus lhe dê vitorias.
    Muitos beijos,Vi

  • Querida Jussara!
    Que estória realmente delicada e bonita! E do jeitinho que você tão carinhosamente nos conta o enredo, já nos sentimos transportados à esta atmosfera parisiense de tantos anos atrás, curiosos da busca da protagonista por seu amor perdido no tempo…Quanta delicadeza,amiga!
    E eu daqui,encantada,imagino a tua emoção de menina,folheando o livro que tantas recordações te traz… É verdade, existem alguns livros que guardam além da sua própria estória,ou seja, são "guardiões" de uma outra estória paralela,de nossas próprias vivências pelo mundo.E estes livros nos parecem como pequeninos "portais mágicos", que nos levam de volta ao passado e suas emoções.
    Amiga,aproveito aqui a minha visitinha, pra te agradecer pela tua doce companhia neste 2012 que passou, e dizer-te que sempre me alegras quando tão gentilmente passas pelo meu cantinho… Sem saber, tantas vezes iluminaste ainda mais o meu dia! E hoje, te desejo de coração, tudo de muito bom neste ano que se inicia, e que as grandes e pequenas alegrias, e as doces delicadezas da vida, sejam constantes no teu caminho!
    Um 2013 lindo, gentil, saudável e inspirador pra você e a tua querida família!
    Teresa
    ("Se essa lua fosse minha")

  • Estava procurando no google o nome desse livro que eu li quando era bem jovem e deparei com seu blog, foi gratificante reler um pouquinho sobre o livro sob a sua ótica, foi um dos livros que fazem parte do que marcaram ou seja inesquecíveis. Muito grato pelo post feito com imenso carinho e tão especial para mim, um livro sublime.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *