O bálsamo de Gileade

O bálsamo de Gileade

Ontem, antes de adormecer, pedi a Deus que aplicasse em meu rosto o precioso bálsamo de Gileade. Uma alergia a algum cosmético ou a algum medicamento, deixou-me a pele cheia de espinhas, coisa que nem na adolescência eu tive.
Acordei com o rosto mais claro e com uma bela canção nos lábios: “Há um bálsamo em Gileade/ Há unção em Gileade/Vem sobre mim para curar/Vem sobre a Filha de Sião/Há um médico em Gileade/Há remédio em Gileade/Vem sobre mim para curar…”.
Amo esta canção! Letra e melodia agradam meu coração! Se você quiser conhecer, clique aqui.
Hoje, ao pensar sobre o que escreveria, senti vontade de falar sobre esse bálsamo que, no tempo dos patriarcas bíblicos, milênios antes de Cristo, era tão precioso a ponto de valer duas vezes o seu peso em ouro.
Gileade era um território montanhoso, ao oriente do rio Jordão, rico em florestas e em pastagens onde se produziam especiarias e gomas aromáticas. O bálsamo de Gileade era a seiva de uma árvore que crescia nessa região: uma substância branca, viscosa, de grande valor para a cura das inflamações, razão para que outras regiões o importassem.
Em época próxima ao nascimento de Cristo, o arbusto do bálsamo crescia por toda parte no vale do Jordão. No entanto, apesar dos esforços empreendidos pelos romanos para proteger e cultivar as plantações do bálsamo, estas acabaram desaparecendo completamente após a época das Cruzadas.
No tempo, porém, em que Jeremias indaga se acaso não havia bálsamo em Gileade, ou se lá não havia médico, a cultura do bálsamo estava em plena atividade e o profeta sabia disso muito bem. Dolorido por ver Jerusalém sitiada, assolada por causa do seu pecado, Jeremias evoca as rampas de Gileade e o poderoso ungüento dali extraído, como se dele precisasse para aplicar sobre as feridas do povo, sobre as chagas abertas pelo pecado.
“Acaso não há…?”. A pergunta do profeta traz em si uma resposta afirmativa. Jeremias escreveu com lágrimas, avisando que a nação de Judá iria ser destruída pela Babilônia, mas, caso se arrependesse, Deus a salvaria. Neste caso, o arrependimento seria, numa terra conhecida pelo seu bálsamo, o precioso unguento da cura.
Hoje, as colinas de Gileade – que agora tem outro nome – estão vazias dos arbustos do bálsamo e não há mais como exportá-lo para as nações assoladas por chagas físicas ou espirituais que continuam a existir. Para nosso consolo, porém, e para nossa alegria, temos Jesus ao alcance da nossa fé: Ele é o Médico de Gileade e seu precioso sangue, se aplicado como unguento em nossos corações, restaura-os e restaura nossas vidas, curando-nos de enfermidades físicas e de feridas morais e espirituais provocadas pelo pecado.
Há, sim, ainda, bálsamo mais que precioso em Gileade.
Para saber mais, leia na sua Bíblia:
Gênesis 37:25 e 43: 11; Números 32:1 e Jeremias 8: 22 e 46:11
Beijo! Linda semana para você!


12 thoughts on “O bálsamo de Gileade”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *